Publicidade

Correio Braziliense

Temer assina decreto que congela 61 mil cargos federais

A maioria dos cargos já estavam vagos, e outros, a partir do decreto, não poderão ser preenchidos por concursos públicos


postado em 09/01/2018 17:20

(foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
(foto: Ed Alves/CB/D.A Press)

 

O presidente Michel Temer assinou, no inicio da tarde desta terça-feira (9/1) um decreto que congela cerca de 61 mil cargos federais na administração direta autárquica e fundacional.

A maioria dos cargos já estavam vagos, e outros, a partir do decreto, não poderão ser preenchidos por concursos públicos. Muitos deles são de nível mais inicial com remunerações mais baixas.

O decreto é assinado no mesmo dia em que o governo luta para tentar emplacar o nome de Cristiane Brasil como nova ministra do trabalho. A deputada é filha do presidente nacional do PTB, Roberto Jefferson, e foi escolhida semana passada para substituir o deputado Ronaldo Nogueira (PTB-RS) que, em dezembro do ano passado, pediu demissão.

A posse da deputada foi suspensa nessa segunda-feira (8/1) por uma decisão de primeira instância do juiz da 4ª Vara da Fazenda Nacional, Leonardo da Costa Couceiro.

Salários menores em concursos


Em 2017, o governo Temer definiu que os concursos realizados em 2018 terão salário inicial de R$ 2,8 mil para vagas de nível médio e de R$ 5 mil para postos que exigem ensino superior. A medida vale para todas as carreiras do Executivo federal e um projeto de lei será enviado ao Congresso Nacional para normatizar a decisão. A decisão foi tomada para gerar uma economia de até R$ 70 bilhões para o país ao longo da próxima década.

A proposta faz parte das medidas da equipe econômica para tentar reequilibrar as contas públicas. Além de limitar o valor inicial dos contracheques, os reajustes salariais programados para diversas carreiras em 2018 serão adiados para 2019. Somente com essa medida, o Executivo espera economizar R$ 9,7 bilhões.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade