Publicidade

Correio Braziliense

Petição por impeachment de Gilmar Mendes tem 1,8 milhão de adesões

O pedido inicial da petição era por um milhão de adesões. O impedimento é defendido pela suposta imparcialidade do magistrado nas decisões


postado em 17/01/2018 12:32 / atualizado em 17/01/2018 12:45

Gilmar Mendes é alvo constante de críticas nas redes sociais(foto: Paulo Paiva/CB/D.A Press)
Gilmar Mendes é alvo constante de críticas nas redes sociais (foto: Paulo Paiva/CB/D.A Press)

Os interessados no impeachment do ministro Gilmar Mendes no Supremo Tribunal Federal seguiram conselho da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) e, quando atingiram a meta de um abaixo-assinado que pedia um milhão de adesões, não só dobraram, mas triplicaram o objetivo. A petição virtual, que agora quer alcançar 3 milhões de interessados em tirar o magistrado do cargo, conseguiu até esta quarta-feira (17) 1,881 milhão de apoiamentos.
 

Mesmo com tanto incentivo, o Senado arquivou o pedido de impeachment e a decisão do então presidente da Casa, Renan Calheiros, teve a legalidade confirmada pelo STF. Na petição, a alegação é que Mendes seria imparcial em suas decisões. 

Gilmar Mendes foi alvo de inúmeras críticas no ano passado por suas decisões no STF mandando soltar presos, inclusive os da Lava-Jato, como o empresário Eike Batista. Também causou polêmica ao soltar o réu e empresário Jacob Barata Filho, com quem tem relação pessoal. O magistrado foi padrinho de casamento da filha de Barata e, mesmo assim, não se considerou impedido para julgar um habeas corpus a favor dele.

Entre as decisões recentes, Gilmar Mendes mandou soltar o ex-governador do Rio Anthony Garotinho e determinou a retirada da tornozeleira eletrônica da mulher dele, Rosinha. Ambos são investigados por compra de votos. Gilmar também tirou da cadeia Adriana Anselmo, mulher do ex-governador do Rio, Sérgio Cabral, condenada pelos crimes de organização criminosa e lavagem de dinheiro.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade