Publicidade

Correio Braziliense

Porto Alegre se prepara para o julgamento do ex-presidente Lula na quarta

O governo gaúcho organiza uma operação especial, com fechamento do trânsito e de órgãos públicos no perímetro próximo ao Tribunal Regional Federal da 4ª Região. Policiamento ganhou reforço de atiradores de elite


postado em 22/01/2018 17:23 / atualizado em 22/01/2018 18:10

(foto: Reprodução/Twitter)
(foto: Reprodução/Twitter)

 
A atenção do país está focada em Porto Alegre nesta semana, para assistir o julgamento de ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pela 8ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), marcado para quarta-feira (24/1), e o governo gaúcho prepara uma operação especial a partir desta terça-feira na capital. Ao meio-dia, vários órgãos públicos localizados no perímetro de 2 km do entorno do tribunal terão seu expediente encerrado com retorno previsto apenas na quinta-feira. As avenidas em volta do local serão fechadas às 17h desta terça-feira e o trânsito, nas imediações, também só voltará à normalidade depois do julgamento. A segurança terá reforço de todas corporações e, inclusive, atiradores de elite.
 
 
Nesta segunda-feira (22/1), o secretário de Segurança Pública do Rio Grande do Sul, Cezar Schirmer, anunciou os preparativos para garantir que as manifestações em defesa do ex-presidente e a favor da condenação de Lula sejam pacíficas. “Democracia pressupõe liberdade. Vamos assegurar que as manifestações sejam realizadas dentro dos princípios constitucionais”, disse. A Secretaria de Segurança Pública (SSP) fechou um acordo com movimentos sociais para delimitar os espaços de atos e de acampamento das caravanas.
 
Shirmer destacou que o Ministério da Justiça autorizou o efetivo da Força Nacional que já está operando em Porto Alegre a se deslocar para perímetro e reforçar a segurança na área do tribunal e dos prédios públicos que ficam no perímetro. Os ministérios da Agricultura, e da Fazenda, a Receita Federal, o IBGE e o Incra encerrarão o expediente ao meio-dia de hoje, assim como a Câmara de Vereadores de Porto Alegre.
 
 
 
Junto com a Empresa Pública de Transporte e Circulação de Porto Alegre (EPTC), a Brigada Militar vai fechar o acesso do trânsito em pontos sensíveis, também já a partir desta terça-feira, às 17h. Haverá restrição de trânsito ainda mais severa a partir da meia-noite e bloqueio total do perímetro a partir das 5h da quarta-feira. “Queremos que os 1,4 milhão de porto-alegrenses tenham o mínimo possível de suas vidas afetadas por conta do evento”, explicou Schirmer.
 
Todas as corporações de segurança estão envolvidas e várias áreas secundárias, além do perímetro, terão contenção, como as rodovias que dão acesso à cidade, as imediações da Esquina Democrática, onde um ato está marcado para esta terça-feira, e o Parque Moinhos de Vento, no qual o Movimento Brasil Livre promete realizar o Carnalula, após o julgamento.
 
“Temos controle aéreo, terrestre e naval, acompanhando toda a orla do Guaíba. Teremos helicópteros e barcos. Não se pode fazer economia com a preservação da democracia”, assinalou o secretário. “Vamos evitar ao máximo o conflito entre as partes, mas estamos preparados para identificar quem fizer qualquer manifestação que contrarie a lei, inclusive mascarados”, disse.
 
Atiradores de elite também estarão presentes, reconheceu o secretário de segurança. “Eles estarão posicionados como observadores privilegiados e ficarão filmando e fotografando. Faz parte da proteção”, admitiu. 
 
Todas as câmeras públicas do perímetro estarão dialogando com o monitoramento da SSP. O sistema de segurança do Estado é integrado com os de quase 200 municípios. “Em Porto Alegre, são mais de mil câmeras, 150 na região específica do tribunal”, destacou Schirmer.
 
Os três desembargadores que julgarão o ex-presidente – João Pedro Gebran Neto, Leandro Paulsen e Victor Laus – já estão sob segurança especial há algum tempo. Em conjunto com a Polícia Federal, a Polícia Rodoviária Federal fará o transporte dos desembargadores com escolta e batedores para que cheguem no TRF4 sem atraso ou surpresas. A Polícia Civil determinou uma delegacia específica de pronto atendimento, a 3ª DPPA, no bairro Navegantes, para concentrar as ocorrências do evento.
 
“Vamos filmar e identificar tudo. Se alguém estiver pensando em agir contra a lei, estaremos filmando, seja pelas câmeras, pelas plataformas, pelos observadores e helicópteros. Vamos evitar qualquer forma de depredação de qualquer lado, de natureza facista. Uma vez identificado vamos responsabilizar penalmente quem cometa qualquer delito”, garantiu o secretário Schirmer.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade