Publicidade

Correio Braziliense

Esplanada dos Ministérios é tomada por manifestantes pró e contra Lula

Segundo a Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF), cerca de 500 pessoas se reuniram no local na noite desta terça-feira (23/1)


postado em 23/01/2018 20:52 / atualizado em 23/01/2018 21:28

Ver galeria . 14 Fotos Luis Nova/CB/D.A Press
(foto: Luis Nova/CB/D.A Press )

 
A Praça dos Três Poderes se divide em cores na noite desta terça-feira (23/1). Às vésperas do julgamento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, grupos pró e contra o petista se reúnem no local para protestar. De um lado, as bandeiras de justiça e cartazes em apoio do juiz Sérgio Moro. De outro, os dizeres de "Lula é inocente" estampam as camisetas. 


Segundo a Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF), cerca de 500 pessoas se reúnem a favor do julgamento e contra Lula. Em favor a Lula e contra Moro estão cerca de 400 pessoas. No início da noite, uma briga entre dois homens com ideologias políticas contrárias foi logo apartada pela Polícia Militar. A confusão teve troca de socos, mas não prosseguiu.
 
Mais tarde, perto das 21h, um outro princípio de confusão foi registrado. Um homem começou a chutar outras pessoas. Rapidamente, porém, a PM se aproximou do suspeito e lançou gás de pimenta para conter o tumulto. O homem que teria iniciado a confusão foi detido. Depois, a PM explicou que a briga aconteceu entre ambulantes de uma mesma família. Pouco depois, às 21h10, os simpatizantes de Lula começaram a se dispersar.  

No gramado em frente ao Supremo Tribunal Federal (STF), manifestantes colocaram velas formando os dizeres "Justiça: Lula na cadeia". O engenheiro agrônomo aposentado Leonardo Giordano, 70 anos, afirma comparecer a muitas manifestações desde a luta pelo impeachment de Dilma Rousseff. "Eu sempre volto", comentou. "Eu estou defendendo meus filhos e netos. O julgamento é justiça. A impunidade dá corda pra bandido. Até Nixon caiu quando mentiu", afirmou. 

Na parte vermelha da Praça, os tambores rufam com cantorias a favor de Lula. O movimento também pede o impeachment do presidente Michel Temer.  Segundo o servidor público, Ademário Nogueira, 53 anos, o grupo veio pedir justiça. "Isso não é um julgamento jurídico, é político. O povo tem medo da força do Lula. o povo ta mobilizado. Lula é o nosso guerreiro. Se prender, vira Mandela. Se deixar solto, vira presidente", disse. "Chega de ditadura do Judiciário. A justiça é pra todos, não apenas para o companheiro Lula", concluiu. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade