Publicidade

Correio Braziliense

Roberto Jefferson repreende Cristiane Brasil devido a vídeo em lancha

O ex-deputado e presidente do PTB comentou no Facebook o vídeo em que a filha se defende das acusações de descumprir as leis trabalhistas a bordo de uma lancha


postado em 30/01/2018 14:03 / atualizado em 30/01/2018 19:34

(foto: Antônio Augusto/Câmara dos Deputados)
(foto: Antônio Augusto/Câmara dos Deputados)

 
O ex-deputado e presidente nacional do PTB, Roberto Jefferson, demonstrou, nesta terça-feira (30/1), insatisfação com o vídeo no qual sua filha, a deputada federal Cristiane Brasil (PTB-RJ), se defende das acusações de desrespeito às leis trabalhistas. Em sua página no Facebook, Jefferson afirmou que "uma figura pública deve se portar como uma figura pública, e usar ferramentas como Facebook e Instagram apenas em caráter constitucional".
 

Na filmagem, Cristiane, impedida na Justiça de se tornar ministra do Trabalho, aparece ao lado de quatro homens sem camisa a bordo de uma lancha. As imagens foram divulgadas na segunda-feira (29/1) e, em poucos minutos, viralizaram nas redes sociais. 
 
Apesar de lamentar a gravação do vídeo, Roberto Jefferson também criticou algumas reações na internet, dizendo que houve "muita deturpação" sobre o episódio. "A repercussão fala por si. Também teve muita deturpação. Eram famílias no barco, havia crianças passando", defendeu. Por fim, ele acusou alguns internautas, a quem chamou de "trogloditas", de serem "moralistas e machistas". 
 
 
 

Processos trabalhistas
 

No início deste ano, Cristiane Brasil foi indicada pelo presidente Michel Temer para assumir o Ministério do Trabalho. A posse estava prevista para 9 de janeiro, mas uma decisão da Justiça do Rio de Janeiro suspendeu a solenidade um dia antes. Desde então, a Advocacia Geral da União tenta fazer com que Brasil seja nomeada. Após uma vitória no Superior Tribunal de Justiça (STJ), uma nova solenidade foi marcada, para o dia 22, mas uma liminar da ministra e presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia, suspendeu novamente a nomeação. 

"Todo mundo tem direito de pedir qualquer coisa na Justiça. Todo mundo pode pedir qualquer coisa abstrata. (Mas) O negócio é o seguinte: 'quem é que tem direito?', ainda mais na Justiça do Trabalho. Eu, juro pra vocês, eu juro pra vocês, que eu não achava que eu tinha nada para dever para essas duas pessoas que entraram (com ação) contra mim. E eu vou provar isso em breve", disse Brasil na gravação polêmica. 
 


O grupo de advogados que entrou na Justiça e impediu, pela primeira vez, a posse de Brasil, argumentou que as declarações dadas pela parlamentar em vídeo são só mais um motivo para que ela não assuma a pasta. Eles afirmam que as imagens servirão como elemento de prova para que o STF mantenha o pedido de suspensão da nomeação no momento e, possivelmente, de forma definitiva.  

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade