Publicidade

Correio Braziliense

Após demora do STF, crime prescreve e inquérito contra Jucá é arquivado

Senador foi acusado de desviar dinheiro repassado pelo Ministério da Saúde para obras em Roraima


postado em 05/02/2018 14:55

Romero Jucá foi acusado de receber dinheiro ilícito em obras na cidade de Cantá (RR) entre 1999 e 2001(foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)
Romero Jucá foi acusado de receber dinheiro ilícito em obras na cidade de Cantá (RR) entre 1999 e 2001 (foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)


O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu arquivar um inquérito contra o senador Romero Jucá (PMDB-RR). A investigação tramitava na corte há mais de 13 anos e apurava o suposto desvio de dinheiro público por parte do senador. O político foi acusado de receber dinheiro ilícito em obras na cidade de Cantá (RR) entre 1999 e 2001. Por conta da demora na análise do Supremo, a denúncia prescreveu.

De acordo com a legislação, o crime de peculato prescreve em 16 anos, como é o caso. O pedido de investigação chegou ao STF em 15 de abril de 2004, mas o que conta é o período em que os fatos ocorreram. O arquivamento foi pedido pela Procuradoria-Geral da República, que enviou o pedido de investigação.

As suspeitas começaram após produtores rurais de Roraima apresentarem um vídeo, no qual o prefeito de Cantá afirmava que "ele e Jucá ficavam com 10% dos valores destinados para obras da cidade". A verba que supostamente foi desviada foi repassada pelo Ministério da Saúde, para a construção de poços artesianos.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade