Publicidade

Correio Braziliense

Ministro Luiz Fux assume a presidência do Tribunal Superior Eleitoral

Fux reafirmou o papel do TSE em combater as fake news e em garantir a ficha limpa durante as eleições de 2018


postado em 06/02/2018 20:58

(foto: Minervino Junior/CB/D.A Press)
(foto: Minervino Junior/CB/D.A Press)
 
Na noite desta terça-feira (6/2), o ministro Luiz Fux assumiu a presidência do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Em cerimônia de posse, na sede do órgão, o ministro destacou os desafios da gestão nesse ano eleitoral, frente a um cenário imprevisível. Ele deve ficar a frente do órgão até agosto, quando completa dois biênios dentro da instituição e é substituído pela vice-presidente Rosa Weber.

Na cerimônia, também estavam presentes a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia, o presidente do Senado Federal, Eunício Oliveira, o deputado federal Fábio Ramalho, representante da Câmara dos Deputados, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) Cláudio Lamachia e o presidente da República, Michel Temer.


Entre os pilares do órgão, Fux reafirmou o papel do TSE em combater as fake news e em garantir a ficha limpa durante as eleições de 2018. "Vamos aplicar a lei da ficha limpa combater as fake news. A ficha limpa se apresenta como pilar fundamental da atuação do TSE. A justiça eleitoral será irredutível na aplicação da ficha limpa", garantiu. 

Em um ano conturbado para a política brasileira, Fux relembrou os desafios para preparar o cenário eleitoral para outubro.  Apesar de não estar na liderança do órgão nas eleições de 2018, é ele quem conduzirá as normas eleitorais e as candidaturas dos políticos ao longo do ano. "Será um momento especial e desafiador para o país. Especial porque milhões de brasileiros caminham para a arena democrática e
Desafiador porque teremos uma eleição presidencial que se prenuncia como a mais espinhosa e imprevisível", disse. 

No começo da noite, Fux assinou o termo de compromisso regimental e, em seguida, chamou a vice-presidente eleita Rosa Weber a também assinar o documento. Logo após a assinatura, o ministro Napoleão Nunes Maia deu início aos discursos, no qual exaltou as qualidades do ministro Gilmar Mendes, que deixou o cargo ao encerrar as atividades dentro do órgão, após quatro anos de gestão, e também exaltou a história pessoal e familiar do ministro empossado. "Essas (histórias) fazem dele um ser humano destacado e diferente", afirmou Maia Nunes. 

Dodge também reafirmou os qualidades de Fux e da vice presidente Rosa Weber e comentou sobre os desafios que o órgão deve encarar durante esses próximos meses. "O Ministério Público está preparado para lutar contras as fraudes nas eleições, defender a lei da ficha limpa e o sufrágio universal previsto em constituição", comentou a procuradora-geral, em referência à ação direta de inconstitucionalidade que enviou ao Supremo Tribunal Federal, ontem. O documento pede o fim do voto impresso nas eleições de 2018, destacando a insegurança do modelo para o sistema eleitoral. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade