Publicidade

Correio Braziliense

PF prende deputado João Rodrigues no aeroporto de Guarulhos

STF determinou execução imediata de pena do parlamentar, condenado a cinco anos e três meses de reclusão por fraude e dispensa de licitação


postado em 08/02/2018 08:40 / atualizado em 08/02/2018 09:48

Parlamentar foi condenado a cinco anos de prisão pelo TRF-4(foto: Agencia Câmara/Reprodução)
Parlamentar foi condenado a cinco anos de prisão pelo TRF-4 (foto: Agencia Câmara/Reprodução)

O deputado federal João Rodrigues (PSD-SC) foi preso pela Polícia Federal (PF) no aeroporto de Guarulhos, em São Paulo, na manhã desta quinta-feira (8/2). O político voltava de uma viagem dos Estados Unidos. A PF descobriu que Rodrigues havia alterado o destino final da passagem do Brasil para o Paraguai. A Interpol foi acionada e Rodrigues foi impedido de entrar no país vizinho.

 

Na terça-feira, a Primeira Turma da Corte determinou a execução da pena do parlamentar, que foi condenado em 2010 pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4). Rodrigues foi condenado por um crime cometido em 1999, quando passou 30 dias como prefeito interino de Pinhalzinho (SC). 

 

Ele respondeu por fraude em licitação ao autorizar, de forma ilegal, a compra de uma escavadeira para a prefeitura, no valor de R$ 40 mil. Os ministros negaram o recurso porque entenderam que não cabe ao STF fazer novas análises de provas. Dessa forma, foi mantida a condenação do TRF-4. O parlamentar foi condenado a cinco anos e três meses de prisão.

Na última segunda-feira (5/2), o deputado publicou um vídeo no Twitter em que se defende das acusações e pede apoio dos internautas no caso. "Se condenado, eu encerro minha atividade. Paro com a política, vou cuidar da minha família e da minha profissão", diz.

Prescrição da pena 

Levantamento da Polícia Federal com apoio de órgãos públicos nos EUA e Paraguai identificou que o deputado estava no exterior e havia modificado seu bilhete de passagem, alterando o destino final do Brasil para o Paraguai. 

 

Com receio de que ocorresse a prescrição da execução da pena, prevista para a próxima segunda-feira (12/2), a Polícia Federal comunicou o fato ao Ministro Alexandre de Moraes, presidente da Primeira Turma do STF, que autorizou a inclusão em difusão vermelha no banco de dados da Interpol. Com base nisto, João Rodrigues foi impedido de entrar no Paraguai e acabou embarcando em um vôo rumo a Guarulhos, onde foi preso.

 

O parlamentar ficou conhecido nacionalmente em 2015 ao ser flagrado assistindo a vídeos pornô em seu telefone celular no plenário da Câmara dos Deputados. À época, ele disse que o vídeo havia sido enviado a ele por amigos.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade