Publicidade

Correio Braziliense

Em busca de proposta, Ciro Gomes se aproxima de Nelson Marconi, da FGV

A equipe do presidenciável já fez duas rodadas de reuniões no fim do ano passado na casa do economista em São Paulo


postado em 28/02/2018 08:30

Na atual pré-campanha, Ciro tem procurado se posicionar como um nome de centro-esquerda(foto: Piauí/Divulgação)
Na atual pré-campanha, Ciro tem procurado se posicionar como um nome de centro-esquerda (foto: Piauí/Divulgação)
 
O pré-candidato à Presidência pelo PDT, Ciro Gomes, se aproximou nos últimos meses do economista Nelson Marconi, professor da Fundação Getúlio Vargas (FGV), em busca de propostas para seu programa de governo.

A equipe do presidenciável já fez duas rodadas de reuniões no fim do ano passado na casa do economista em São Paulo. Os encontros foram em novembro e em dezembro. O próximo deve ser ocorrer no fim de março. Nas reuniões, Ciro foi acompanhado pelo irmão e ex-governador do Ceará, Cid Gomes, e pelo secretário da Fazenda do Estado, Mauro Benevides Filho.

Marconi faz parte da Associação Keynesiana Brasileira (AKB) e integra o grupo dos pesquisadores do Centro de Estudos do Novo Desenvolvimentismo, também da FGV. Nos últimos anos, participou de forma ativa do debate econômico. Criticou, por exemplo, a valorização cambial e a perda de participação da indústria na economia.

"Ciro tem um projeto de desenvolvimento para o País, o que não significa necessariamente o mesmo estilo Dilma", afirma Marconi. "Ele tem clareza de que é preciso alguns preços macroeconômicos ajustados, câmbio competitivo, a taxa de juros mais baixa, e poupança pública para poder financiar os investimentos públicos " 

Na atual pré-campanha, Ciro tem procurado se posicionar como um nome de centro-esquerda e, nas questões econômicas, procura adotar um discurso mais moderado como forma de fazer um contraponto ao PT. 

A assessoria do presidenciável informou que Marconi tem colaborado com a discussão do programa de governo e que deve ter um papel importante na campanha presidencial. 

O primeiro contato entre Ciro e Marconi ocorreu em julho de 2016 quando o presidenciável participou de um evento interno no Centro de Estudos do Novo Desenvolvimentismo. 

Em janeiro de 2017, voltaram a se encontrar por meio do ex-ministro da Fazenda Luiz Carlos Bresser-Pereira. 

Nas reuniões realizadas no fim do ano passado, houve a participação de economistas de diversas instituições de ensino - da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), da Unicamp e da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) - , de nomes do mercado financeiro, dirigentes de associações e empresários. 

"Não são necessariamente pessoas que apoiam o Ciro, mas elas têm interesse em conhecer as propostas e eventualmente dar sugestões", diz Marconi. 

Pontos

Os principais pontos econômicos já discutidos deverão ser detalhados nos próximos meses, mas existem indícios para onde deve caminhar o plano de econômico de Ciro.

Na parte fiscal, o grupo discute a possibilidade de ter um regime de capitalização. "Não seria uma mudança abrupta, mas é preciso pensar se é possível fazer essa transição e como fazer", diz Marconi. 

Os economistas também se mostram contrários ao teto dos gastos. "O consenso dentro do grupo é de que precisa haver uma controle de gastos, mas que não necessariamente vai ser o teto. Precisamos garantir o investimento público, controlar os gastos correntes, a questão da dívida e, talvez, fazer algum modelo que permita ao Estado gastar mais em momentos de crise e que ele compense isso quando estiver crescendo", diz.

Na área tributária, o grupo discute uma simplificação tributária e uma estrutura mais progressiva, ou seja, tributar mais a renda do que a produção. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade