Publicidade

Correio Braziliense

Apesar de resistência do DEM, governo federal não descarta apoio a Maia

O ministro-chefe da Secretaria de Governo da Presidência da República, Carlos Marun, fez um discurso de aproximação ao pré-candidato Rodrigo Maia


postado em 08/03/2018 19:23

(foto: Arthur Menescal/Esp. CB/D.A Press)
(foto: Arthur Menescal/Esp. CB/D.A Press)

 
A independência do Democratas pode ficar para depois. Embora caciques do partido do DEM defendam um descolamento do governo do presidente Michel Temer, o ministro-chefe da Secretaria de Governo da Presidência da República, Carlos Marun, fez um discurso de aproximação ao pré-candidato da sigla, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (RJ). 
 
O apoio ao parlamentar em uma efetiva candidatura não será descartada, garantiu o auxiliar de Temer nesta quinta-feira (8/3). O presidente nacional do DEM, ACM Neto (BA), e o líder da sigla no Senado, Ronaldo Caiado (GO), destacaram na quarta-feira (7/3) que Maia seguiria uma candidatura desvinculada do governo federal. Marun ressalta, no entanto, que o DEM continua sendo um partido que faz parte da base e negociações podem ocorrer. “É uma pré-candidatura que nós respeitamos e mantemos a nossa convicção de que nossas chances de sucesso presidem no fato de termos capacidade de marcharmos unidos com os partidos que compõem a base na próxima eleição” destacou. 
 
Responsável pela articulação política do governo, Marun garante que o MDB poderá, sim, apoiar a pré-candidatura de Maia. Mas ressalta que outras também estarão no radar. “Quero deixar claro que vemos essa pré-candidatura com o mesmo respeito que vemos a do ministro (Henrique) Meirelles, e o mesmo respeito que acompanharemos a de outros partidos que compõem a base. Inclusive, de alguma do MDB, que possa vir a ser lançada”, afirmou.
 
Com a declaração, Marun aproveitou para frear as insinuações do DEM de que Maia não seria um candidato do governo. Caso o Democratas e o MDB fechem aliança para as eleições, a candidatura do presidente da Câmara será “de governo”. “Veja bem. Nós entendemos que, em avançando as negociações, aonde estiver o MDB, estará o governo”, frisou.
 

Legado

O processo de convencimento a Maia pode não ser dos mais fáceis. Além de demonstrar confiança que estará no segundo turno das eleições, ele assegurou que não será o candidato que defenderá o legado do governo Temer. O parlamentar carioca foi proclamado hoje pré-candidato ao Palácio do Planalto em convenção do partido e já articula uma base de apoio com PP, PRB, PSC, PHS, PR, Solidariedade e Avante. 
 
Presidente do Solidariedade, o deputado federal Paulo Pereira da Silva (SP), o Paulinho da Força, deixou claro que caminhará ao lado de Maia durante as eleições presidenciais. “Temos uma esperança muito grande em você. Estamos aqui, um grupo de partidos, meio sem rumo, sem ter o que fazer. Acho que a única pessoa que pode unir esse grupo é Rodrigo Maia”, disse durante a convenção do DEM. 
 
Outro que demonstrou confiança na candidatura do deputado do Rio foi o presidente do PRB, Marcos Pereira.“Estamos juntos. O Brasil precisa de pessoas jovens, como Rodrigo Maia e ACM Neto”,afirmou. O evento também marcou a posse de Neto como presidente do DEM. 
O prefeito de Salvador ainda adiantou que definirá até a próxima semana se disputará o governo da Bahia. Ele admitiu que a candidatura de Maia fortalece essa possibilidade, detalhou que dialogará com todas as legendas, menos o PT, além de sinalizar que não apoiará os tucanos na corrida ao Palácio do Planalto. “Neste momento, não cogitamos, em absoluto, qualquer possibilidade de apoiar o PSDB. Mas o PSDB não é nosso adversário. Vamos deixar o diálogo aberto”,disse. 
 
Outro que sinalizou apoio a candidatura de Maia a presidência da República foi o presidente do PP, senador Ciro Nogueira (PI). Conforme ele, Maia reune qualidades essenciais de um político, entre elas o cumprimento dos acordos assumidos e a serenidade em dialogar com diversas legendas. “Acreditamos no potencial da candidatura crescer. Se isso acontecer vamos com ele”, detalhou. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade