Publicidade

Correio Braziliense

Intervenção não acaba com assassinatos, diz Marun sobre morte de vereadora

O ministro rechaçou qualquer correlação entre a execução da vereadora e a intervenção federal na segurança pública do Estado


postado em 15/03/2018 12:48

Marun disse que a morte da vereadora é uma 'questão policial' que entristece o governo(foto: José Cruz/Agência Brasil )
Marun disse que a morte da vereadora é uma 'questão policial' que entristece o governo (foto: José Cruz/Agência Brasil )

O ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, disse nesta quinta-feira (15/3)que logo as autoridades vão desvendar o assassinato da vereadora do Rio de Janeiro Marielle Franco (PSOL). O ministro rechaçou qualquer correlação entre a execução da vereadora e a intervenção federal na segurança pública do Estado. 

"É um assassinato. Só faltava alguém pensar que a intervenção cessaria os assassinatos no Rio de Janeiro. Obviamente que não temos essa pretensão, o que nós temos é a pretensão de restabelecimento do exercício da autoridade", disse Marun após um café da manhã com as bancadas do Norte e do Nordeste do País na Câmara para tratar de vetos presidenciais ao projeto de prorrogação dos débitos de agricultores.

Marun disse que a morte da vereadora é uma "questão policial" que entristece o governo e que o ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, vai tratar do assunto. "Em breve teremos os nomes dos responsáveis por esse absurdo assassinato", previu. 

O ministro disse que está confiante no andamento das investigações e que ao se descobrir os autores da morte da vereadora, o governo mostrará que a autoridade está sendo restabelecida no Rio de Janeiro.

O emedebista também descartou qualquer impacto da morte da vereadora nas próximas eleições e criticou os analistas que já fazem essa avaliação. "Tem gente que viaja na maionese, né?", afirmou.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade