Publicidade

Correio Braziliense

Polícia Federal prende amigos de Temer; José Yunes e ex-ministro são alvos

O ex-ministro da Agricultura Wagner Rossi também foi preso em investigação que apura decreto do presidente Michel Temer, que favoreceu o setor de portos


postado em 29/03/2018 07:57 / atualizado em 29/03/2018 16:57

Yunes pediu demissão do cargo de assessor especial da Presidência da República em dezembro de 2016(foto: Felipe Rau/Estadão Conteúdo)
Yunes pediu demissão do cargo de assessor especial da Presidência da República em dezembro de 2016 (foto: Felipe Rau/Estadão Conteúdo)

Amigos do presidente da República, Michel Temer, foram presos na manhã desta quinta-feira (29/3) pela Polícia Federal (PF) na Operação Skala, que investiga decreto presidencial que favoreceu o setor de portos. Entre os alvos está o ex-assessor de Temer, o advogado José Yunes, que foi preso temporariamente, em São Paulo. A prisão, com validade de cinco dias, ocorreu após decisão autorizada pelo ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF).

 

O ex-ministro da Agricultura Wagner Rossi, o ex-coronel João Baptista Lima e o dono da Rodrimar, Antonio Grecco, também foram detidos. A operação atingiu, ainda, Milton Ortolan, auxiliar de Rossi. Grecco, que é investigado por ter sido beneficiado pelo decreto presidencial, foi detido no interior de São Paulo. A PF também vasculhou a sede da Rodrimar, em Santos.

 

O ex-deputado federal Wagner Rossi foi ministro da Agricultura nos governos Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, em 2010 e 2011, respectivamente. Em 1999 e 2000, Rossi presidiu a Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp), estatal administradora do porto de Santos. Rossi é pai do deputado Baleia Rossi, atual líder do MDB na Câmara.

 

Já o ex-coronel da Polícia Militar João Baptista Lima é apontado pela Procuradoria Geral da República (PGR) com base na delação da JBS, como um dos intermediários de propina que supostamente seria paga ao presidente no caso do decreto de portos. Lima é dono da empresa de engenharia e arquitetura Argeplan.

Uma mulher ligada ao Grupo Libra – que atua no setor de portos e é investigado na Lava Jato, também foi presa. 

 

"Prisão inaceitável"

 

Em nota, a Polícia Federal afirmou que não vai se pronunciar sobre o caso, por determinação do Supremo Tribunal Federal (STF). O advogado José Luis Oliveira Lima, que defende Yunes, divulgou nota para comentar a prisão do cliente. "É inaceitável a prisão de um advogado com mais de 50 anos de advocacia, que sempre que intimidado ou mesmo espontaneamente compareceu a todos os atos para colaborar. Essa prisão ilegal é uma violência contra José Yunes e contra a cidadania", escreveu.

 

Yunes pediu demissão do cargo de assessor especial da Presidência da República em dezembro de 2016, após ter sido apontado pelo operador financeiro Lúcio Funaro, delator da Operação Lava-Jato, como um dos responsáveis por administrar propinas supostamente pagas ao presidente Temer. Segundo a delação, a lavagem de dinheiro era disfarçada com investimentos de valores ilícitos na incorporadora imobiliária de Yunes.

 

Mula involuntária

 

Em fevereiro do ano passado, José Yunes afirmou que, em 2014, recebeu um "pacote" em seu escritório, em São Paulo, que teria sido entregue por Funaro, atendendo a um pedido do então ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha. Ele negou ter conhecimento do conteúdo do pacote, mas que havia recebido antes uma ligação de Padilha pedindo que ele recebesse documentos que seriam depois retirados de lá por um emissário. Yunes afirmou que foi uma "mula involuntária" de Padilha.

Confira os nomes de quem foi preso na Operação Skala:

 

– José Yunes, ex-assessor de Temer

– Antônio Celso Greco, sócio da empresa Rodrimar

– Wagner Rossi, ex-ministro da Agricultura

– Milton Ortolan, assessor de Wagner Rossi

– Coronel João Baptista Lima, amigo do presidente Temer


Com informações da Agência Estado

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade