Publicidade

Correio Braziliense

Mesmo com ação da PF, Temer mantém agenda e vai a Vitória

Temer embarcou pela manhã de Brasília com o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, e o da Fazenda, Henrique Meirelles


postado em 29/03/2018 10:21

Um interlocutor do presidente admitiu que a operação e seus desdobramentos podem inviabilizar a candidatura(foto: Evaristo Sa/AFP)
Um interlocutor do presidente admitiu que a operação e seus desdobramentos podem inviabilizar a candidatura (foto: Evaristo Sa/AFP)
 
Mesmo com a Operação Scala, que prendeu o amigo e ex-assessor José Yunes, o presidente Michel Temer manteve a viagem para Vitória (ES) para cerimônia de inauguração do aeroporto da cidade. Temer embarcou pela manhã de Brasília com o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, e o da Fazenda, Henrique Meirelles. 

O presidente estava com a atenção focada nos últimos dias para a reforma ministerial que terá que fazer até o dia 7 de abril por conta dos ministros que sairão para concorrer nas eleições de outubro. A ideia do governo era aproveitar as "despedidas" para que o presidente pudesse fazer o maior número de eventos, que fortalecessem também sua pré-candidatura ao Palácio do Planalto.

Pelo menos um interlocutor do presidente admitiu nesta manhã que a operação e seus desdobramentos podem inviabilizar a candidatura. 

As ordens de custódia são do ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal no âmbito do inquérito que apura o Decreto dos Portos. Temer é um dos alvos da investigação e está sob suspeita de beneficiar a empresa Rodrimar na edição do decreto voltado ao setor portuário. A defesa de Yunes classificou de "inaceitável" a prisão de um advogado com mais de 50 anos de advocacia.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade