Publicidade

Correio Braziliense

'Só exame no ônibus de Lula pode dizer se foi tiro', diz perita

Policial federal e filho do pré-candidato à Presidência Jair Bolsonaro, Eduardo Bolsonaro, pôs em dúvida a veracidade do ataque à caravana


postado em 29/03/2018 11:08

Um perito vai examinar o local do fato, verificar a trajetória do disparo, averiguar se o tiro foi dado de dentro para fora ou de fora para dentro do veículo(foto: Joka Madruga/Futura Press/Folhapress)
Um perito vai examinar o local do fato, verificar a trajetória do disparo, averiguar se o tiro foi dado de dentro para fora ou de fora para dentro do veículo (foto: Joka Madruga/Futura Press/Folhapress)

É impossível afirmar por meio de uma foto se uma perfuração na lataria de um veiculo foi provocada ou não por um disparo de arma de fogo. Quem afirma é a perita criminal Rosângela Monteiro, do Instituto de Criminalística de São Paulo, que atuou em casos como o da menina Isabella Nardoni.

Na manhã dessa quarta-feira (28/3) o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), que é policial federal e filho do pré-candidato à Presidência Jair Bolsonaro, pôs em dúvida a veracidade do ataque à caravana de Luiz Inácio Lula da Silva, sugerindo por meio de imagens de supostos disparos em veículos que as perfurações nos ônibus petistas eram uma "armação".

De acordo com a perita criminal, é impossível fazer a afirmação feita pelo deputado porque só o exame realizado por um perito no veículo atingido pode determinar qual a origem da perfuração. Um perito, segundo ela, vai examinar o local do fato, verificar a trajetória do disparo, averiguar se o tiro foi dado de dentro para fora ou de fora para dentro do veículo e ainda verificar o ponto da perfuração para coletar material que indique ou não que ele foi feito por arma de fogo. "Há perfurações causadas por ferrugem que são semelhantes a um disparo. Até mesmo a foto feita por um jornalista é diferente daquela da perícia. Por isso, qualquer opinião que não seja do perito que esteve no local e examinou o veículo é mera ilação, especulação", afirmou. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade