Publicidade

Correio Braziliense

Testemunhas dão novas versões sobre assassinato de Marielle Franco

Segundo o jornal O Globo, as duas testemunhas não foram ouvidas pela Polícia Civil e foram orientadas por policiais militares a irem para casa


postado em 02/04/2018 09:15 / atualizado em 02/04/2018 09:30

De acordo com as testemunhas, um homem teria colocado o braço para fora com uma arma de cano longo, que poderia ser um silenciador(foto: Mauro Pimentel/AFP)
De acordo com as testemunhas, um homem teria colocado o braço para fora com uma arma de cano longo, que poderia ser um silenciador (foto: Mauro Pimentel/AFP)
 
Duas testemunhas do assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes ouvidas pelo jornal O Globo disseram ter visto apenas um carro no momento em que foram feitos os disparos. Imagens de câmeras de vigilância sugeriam que dois veículos haviam perseguido o veículo onde estava a vereadora. As testemunhas, ouvidas separadamente, afirmaram ainda que na noite do crime foram orientadas por policiais militares a irem para casa. 

Segundo o jornal carioca, as duas testemunhas não foram ouvidas pela Polícia Civil. Elas narraram que o carro em que os assassinos estavam fechou o veículo conduzido por Anderson e que quase subiu na calçada.

Ainda de acordo com as testemunhas, um homem negro, que estava sentado no banco de trás do carro dos criminosos, teria colocado o braço para fora com uma arma de cano longo, que poderia ser um silenciador.

Outro fato narrado ao jornal é que o carro usado pelos criminosos teria dado uma guinada e fugido pela própria Rua Joaquim Palhares, onde ocorreu o crime. A suspeita da polícia era de que a fuga teria ocorrido pela Rua João Paulo Primeiro, perpendicular à Joaquim Palhares.

Nesta segunda-feira (2/4)atos pedindo solução para o caso e em homenagem a Marielle e ao motorista Anderson Gomes estão sendo convocados para todo o País.
 
Ver galeria . 8 Fotos A vereadora do Rio de Janeiro Marielle Franco, do PSOL, foi morta a tiros na noite de quarta-feira (14/3), dentro do carro em que seguia para casaMauro Pimentel/AFP
A vereadora do Rio de Janeiro Marielle Franco, do PSOL, foi morta a tiros na noite de quarta-feira (14/3), dentro do carro em que seguia para casa (foto: Mauro Pimentel/AFP )


Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade