Publicidade

Correio Braziliense

Debaixo de chuva, manifestantes pedem a prisão de Lula na Esplanada

O protesto começou no fim da tarde desta terça e tem como objetivo pressionar o STF, que vai definir na quarta-feira a prisão de condenados em segunda instância


postado em 03/04/2018 18:46 / atualizado em 08/04/2018 22:05

(foto: Deborah Fortuna/CB/D.A Press)
(foto: Deborah Fortuna/CB/D.A Press)


Debaixo de chuva, com cartazes, bandeiras e vestidos com a camisa da Seleção Brasileira, manifestantes a favor da condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ocuparam o gramado em frente ao Congresso Nacional, nesta terça-feira (3/4). O protesto é uma forma de incentivar o julgamento do Supremo Tribunal Federal (STF), que ocorrerá nesta quarta-feira (4/4), e que vai definir a prisão de condenados em segunda instância. Segundo a Polícia Militar, 1.500 manifestantes participaram do protesto. 

O grupo cantou músicas para demonstrar descontentamento com a situação política atual, e entoou gritos de ordem pedindo a prisão de Lula. Durante o protesto, os organizadores imitaram a voz do ex-presidente, em cima do carro de som, fingindo um discurso, enquanto o público vaiava a figura. Eles também vaiaram o ministro Gilmar Mendes, e outros políticos que consideram corruptos.
 
Ver galeria . 12 Fotos Deborah Fortuna/Esp CB/DA Press
(foto: Deborah Fortuna/Esp CB/DA Press )
 
"Vão pra Cuba", completou o animador no carro de som. O juiz Sérgio Moro foi a única personalidade aplaudida por unanimidade. "Não temos corruptos de estimação", gritou outro animador ao lembrar de outros nomes como Romero Jucá (MDB-RR) e Aécio Neves (PSDB-MG). 
 
 

A professora aposentada Teresinha Alves Pereira, 70 anos, chegou cedo, carregando a bandeira do país enquanto gritava palavras de ordem. Ela, que acompanha as manifestações desde o impeachment, disse que sempre vai lutar por melhorias no país. "Pode chover canivete. O Brasil tem que sair disso e se livrar dos corruptos. É um país maravilhoso que não merece esses políticos", disse.
 
Já para o auditor do Tribunal de Contas da União (TCU), Régis Machado, 37 anos, o brasileiro tem estado mais consciente com as decisões políticas desde o impeachment, e as manifestações que ocorrem pela Esplanada, mostram isso. "Ainda estamos longe, mas já é melhor do que era antes, e as redes sociais contribuem para isso", comentou. Para ele, o julgamento do STF é muito maior do que apenas lutar pelo habeas corpus do ex-presidente. "O PT não enxerga isso. O que está em jogo não é só o caso de Lula, mas a segunda instância. É muito maior. Há uma cultura de impunidade, você não pode chegar e desandar essa determinação por causa de uma questão política", argumentou. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade