Publicidade

Correio Braziliense

Suplicy espera que advogados consigam suspender ordem de prisão de Lula

O ex-senador Eduardo Suplicy disse ainda que Lula avalia com os advogados como vai proceder diante da decretação de prisão


postado em 06/04/2018 15:15 / atualizado em 06/04/2018 15:55

(foto: Facebook/Reprodução)
(foto: Facebook/Reprodução)
São Paulo — O ex-senador Eduardo Suplicy disse, nesta sexta-feira, que espera  que os advogados do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva consigam a suspensão da ordem de prisão antes que ela seja cumprida. Suplicy disse, ainda, que o petista está conversando com seus advogados para decidir como vai agir diante da decisão tomada ontem pelo juiz federal Sérgio Moro.

Ao decretar a prisão, Moro deu a Lula a chance de se entregar voluntariamente até as 17h de hoje. Caso isso não aconteça, a prisão deverá ser cumprida pela Polícia Federal. Até esta manhã, no entanto, Lula não tinha a intenção de se entregar, como parte de uma estratégia para reforçar, junto à população, a ideia de que é vítima de perseguição. 

Uma outra possibilidade é ele se entregar à PF em São Paulo. A polícia avalia a situação e tem receio de tomar uma medida mais forte, como invadir a sede do Sindicato dos Metalúrgicos, em São Bernardo do Campo (SP), onde Lula está.

Suplicy também destacou o apoio que Lula vem recebendo da militância. "Poucas vezes eu vi uma pessoa tão amada no Brasil e na Terra. Todas as pessoas o estão o abraçando e beijando com tanto carinho", disse. "É uma verdadeira comoção do Brasil e uma extraordinária solidariedade ao presidente Lula."

Em seguida, o ex-senador criticou a decisão de Moro. "Todos estão mostrando o quanto consideram absurda a forma como o juiz Sergio Moro está agindo, querendo apressar a prisão, quando, na verdade, ainda não se concluiu o processo", disse ao Correio, antes de subir em um carro de som e discursar para a multidão que se reúne em frente ao sindicato. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade