Publicidade

Correio Braziliense

Segundo analistas, reclusão do ex-presidente era esperada e já precificada

Desenlace da guerra comercial, porém, gera dúvidas


postado em 09/04/2018 06:00

A prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva não deve trazer grandes alterações para os rumos da economia brasileira, avaliam especialistas. Quem acompanha mercados cambiais e de capitais ressalta que os preços dos ativos já levavam em conta a possiblidade de o petista ser considerado ficha suja e, assim, não participar das eleições de outubro. Os analistas ressaltam que, mesmo com o enfraquecimento da esquerda, o cenário eleitoral não está claro. Além disso, alertaram que as turbulências externas, com a guerra comercial travada entre China e Estados Unidos, devem afetar a Bolsa de Valores de São Paulo (B3) e o preço do dólar a curto prazo em maior intensidade do que o noticiário político.

Um exemplo desse processo é que o valor da divisa norte-americana acumula cinco dias consecutivos de alta. Na última semana, a moeda estrangeira encareceu 1,94% e nem as decisões do Supremo Tribunal Federal (STF) de negar o habeas corpus para que Lula não fosse preso e o decreto de prisão expedido pelo juiz Sérgio Moro influenciaram o mercado brasileiro. No caso da B3 a queda acumulada na semana que se passou chegou a 0,64%. Na sexta-feira, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou que o governo estuda a possibilidade de impor mais US$ 100 bilhões em tarifas de produtos importados do país asiático.

 O estrategista-chefe do Banco Mizuho, Luciano Rostagno, explica que a escalada das tensões comerciais entre as duas maiores economias do mundo tem afetado os mercados na última semana e provocado perdas nas principais bolsas de valores. “Sem dúvidas, o cenário externo está prevalecendo. Ainda não está claro até onde as duas nações vão com essa guerra comercial. A prisão do ex-presidente ficou em segundo plano. E isso deve permanecer ao longo desta semana”, comentou.

A economista-chefe da XP Investimentos, Zeina Latif, ressaltou que a prisão de Lula não tem tanta relevância para o mercado porque ele não deve ser candidato. “O PT tem o desafio de desenhar suas estratégias. Eu acho que há ruído e o cenário lá fora não ajuda. Mas Lula é ficha suja e não deve concorrer”, disse.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade