Publicidade

Correio Braziliense

Eduardo Cunha é condenado a 24 anos de prisão

Ex-presidente da Câmara e mais quatro participaram de um esquema de desvios da Caixa Econômica Federal


postado em 01/06/2018 20:42 / atualizado em 01/06/2018 21:01

Ex-presidente da Câmara e mais quatro participaram de um esquema de desvios da Caixa Econômica Federal(foto: AFP PHOTO / Heuler Andrey)
Ex-presidente da Câmara e mais quatro participaram de um esquema de desvios da Caixa Econômica Federal (foto: AFP PHOTO / Heuler Andrey)

 
O Juiz Vallisney de Souza, da 10ª Vara Federal de Brasília, condenou o ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha, a 24 anos e dez meses de prisão por conta do envolvimento no esquema que desviou dinheiro da Caixa Econômica Federal (CEF). Além de Cunha, o magistrado também condenou   Henrique Alves, Lúcio Funaro, Fábio Cleto e Alexandre Margotto.  

Eles foram denunciados pelo Ministério Públicos pelos de lavagem de dinheiro e corrupção ativa e passiva. As investigações da Polícia Federal que descobriram o esquema de corrupção em recursos geridos pela Caixa Econômica fazem parte da Operação Greenfild, deflagrada  em dezembro de 2016. A PF revelou desvios milionários no Fundo de Investimento do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FI-FGTS) e também em fundos de pensão. 

O desdobramento da investigação que aponta desvios no FI-FGTS recebeu o nome de Operação Sepsis. A influência de parlamentares do MDB em recursos da Caixa, para beneficiar empresários, foi apontada pelo ex-vice-presidente de Fundos de Governo e Loterias da Caixa, Fábio Cleto e por Nelson Mello, ex-diretor da empresa Hypermarcas, que firmaram acordos de delação premiada com a Justiça.  

Fábio Cleto, Alexandre Margoto e Lúcio Funaro, que fecharam acordos de delação premiada com a Justiça receberam penas menores. A maior entre os três é a de Fábio, que foi sentenciado a nove anos e oito meses de reclusão. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade