Publicidade

Correio Braziliense

Barroso libera acesso de Loures a dados do inquérito dos Portos

A decisão de Barroso foi tomada após a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, manifestar-se favorável ao pedido feito pela defesa de Loures


postado em 05/06/2018 22:54

(foto: Bruno Santos/Folhapress)
(foto: Bruno Santos/Folhapress)
 
O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), deferiu pedido da defesa de Rodrigo Rocha Loures (MDB-PR) para ter acesso aos dados do inquérito que investiga supostos benefícios à empresa Rodrimar na edição do Decreto dos Portos, em troca de propinas destinadas ao presidente Michel Temer.

A decisão de Barroso foi tomada após a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, manifestar-se favorável ao pedido feito pela defesa de Loures. O ex-deputado federal e ex-assessor de Temer é um dos alvos do inquérito dos Portos. Também são investigados Temer, o ex-diretor da Rodrimar Ricardo Conrado Mesquita e o empresário Antonio Celso Grecco.

A defesa argumentou que havia sido fornecida pela Polícia Federal cópia do arquivo contendo as informações telemáticas do ex-assessor de Temer. No entanto, o delegado Cleyber Malta Lopes, de acordo com os advogados de Loures, decidiu não fornecer a senha, "já que faria uma seleção prévia do que seria considerado 'relevante' para as investigações". 

Em petição enviada ao ministro Barroso, relator do caso, a chefe do Ministério Público Federal escreveu que o material resultante da quebra de sigilo está documentado nos autos, "não havendo qualquer sentido em obstar o fornecimento da senha de acesso aos dados já disponibilizados".

Na avaliação de Raquel, o pedido merecia ser concedido por já haver jurisprudência na Corte "no sentido de que o direito de acesso aos elementos de prova por parte do defensor do investigado alcança às provas já documentadas nos autos e que veiculam informações úteis à condução da defesa das pessoas investigadas".

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade