Publicidade

Correio Braziliense

'Simplificação' e 'eficiência' serão palavras-chave do governo, diz Rabello

Ele prometeu estratégias incisivas contra a desigualdade social, à melhoria da educação e da segurança pública nacional


postado em 06/06/2018 18:34 / atualizado em 06/06/2018 19:20

Ver galeria . 9 Fotos Minervino Júnior/CB/D.A Press
(foto: Minervino Júnior/CB/D.A Press )

 

O pré-candidato ao Palácio do Planalto pelo PSC, Paulo Rabello, foi um dos postulantes que participou da sabatina promovida pelo Correio Braziliense, nesta quarta-feira (6/6). O ex-presidente do BNDES declarou que, se eleito, as palavras-chave para seu governo serão “simplificação” e “eficiência”. Ele prometeu estratégias incisivas contra a desigualdade social, à melhoria da educação e da segurança pública nacional.

Economista, Rabello foi presidente do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2016. Quando ocupava o cargo, pôde acompanhar de perto as questões sociais e econômicas do país. Como uma das medidas para enfrentar o desemprego, o pré-candidato afirma que o governo deve passar da fase assistencialista do mais pobre para dar um “novo rumo” ao povo, baseado em capital.

“Eu sei onde o dinheiro está, sei porque, então sei como faremos essa modificação. Tem mais de R$ 1 trilhão que pode ser redistribuído sem ter que tirar do bolso do mais pobre e sem aumentar a tributação. É um esquema de, sobretudo, criatividade”, completou.

Uma das preocupações do economista, além de reformular a reforma da Previdência e, assim, dar “mais dignidade” ao trabalhador, é aprimorar a educação do país. Para Rabello, a solução é tornar o ensino básico integral e capacitar cada vez mais os professores.

“O governo atual faz avaliações muito tardias do que acontece com o aluno. Quando ele já está no ensino é que vamos descobrir que ele está sem a base. O governo federal precisa entender o problema para investir nessa reformulação. Em 2019, vamos calcular como transformar essa educação em tempo integral e aproveitar melhor o tempo das escolas: eficiência é a palavra chave”.

 

 

 

Após a sabatina, o pré-candidato disse aos jornalistas que, para corrigir as distorções do sistema tributário brasileiro, será necessário realizar uma reforma. "Tem que começar tudo de novo. O sistema não existe mais. É um conjunto de puxadinhos. É o pior sistema até hoje, tem que ser reformulado. Das 20 metas estabelecidas no nosso plano, a 20ª é a meta síntese, é a revisão constitucional. O capítulo tributário será inteiramente modificado junto com as previdenciárias", ressaltou.

 

Rabello afirmou, também que, caso seja eleito, pretende mudar o ensino para o modo integral, apesar da emenda 95 e do teto já estipulado. "Faremos isso com dinheiro. A gente precisa saber onde ele está. E eu sei. Vi isso no BNDES, no IBGE. E como tem dinheiro esse país! Só no âmbito federal, 1 trilhão e 300 bilhões ao ano para gastar. Este governo consegue chegar ao final do ano devendo. É um absurdo. A educação integral será combinada com os municípios e estados."

 

O pré-candidato do PSC disse, ainda, ser a favor da prisão perpétua. "Tem que ter pena suficiente para que se saiba que o estado não está de brincadeira, principalmente com o homicídio doloso. Não se pode perder tempo com indivíduo violento. Ele tem que trabalhar para honrar a família da vítima e partilhar os recursos do trabalho na prisão. O dinheiro hoje sai para o ladrão. É um desperdício.”

 

Segundo Rabello, o país necessita urgentemente de um programa de combate à corrupção. "Precisamos de plano constitucional, do plano real dos impostos. O governo é a fonte da nossa estagnação. Estamos fartos do governo convencional e dos políticos tradicionais.”, finalizou. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade