Publicidade

Correio Braziliense

Barroso determina arquivamento de inquérito da Odebrecht contra Ferraço

O inquérito foi instaurado em 4 de abril de 2017. Em sua decisão, Barroso apontou que, esgotado o prazo para a conclusão das investigações


postado em 09/06/2018 11:36

(foto: CarlosMoura/SCO/STF)
(foto: CarlosMoura/SCO/STF)
O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou o arquivamento de um inquérito instaurado com base na delação da Odebrecht contra o senador Ricardo Ferraço (PSDB-ES). O inquérito investigava a suspeita de que o senador teria sido favorecido com um repasse via caixa 2 de R$ 400 mil à sua campanha ao Senado Federal em 2010.

O inquérito foi instaurado em 4 de abril de 2017. Em sua decisão, Barroso apontou que, esgotado o prazo para a conclusão das investigações, o Ministério Público, "ciente de que deveria apresentar manifestação conclusiva, limitou-se a requerer a remessa dos autos ao Juízo que considera competente", no caso o Tribunal Regional Eleitoral do Estado do Espírito Santo.

"Não é portanto razoável que, tendo se encerrado o prazo para a conclusão das investigações, sejam agora os autos baixados para a nova apreciação dos fatos, o que obrigaria o investigado suportar, indefinidamente, o ônus de figurar como objeto de investigação, impondo-se, assim, o arquivamento dos autos", concluiu Barroso.

"A investigação se iniciou há mais de um ano. O investigado se mostrou, a todo tempo, extremamente colaborativo. Vencido o prazo para a conclusão do inquérito e suas sucessivas prorrogações, o Ministério Público entende não haver nos autos elementos suficientes à instauração da instância, na medida em que, até o momento, não ofereceu denúncia", observou o ministro

'Justiça feita'


Procurado pela reportagem, Ferraço disse que sempre acreditou que a "Justiça seria feita". "Eu sempre acreditei na minha inocência. Eu fui envolvido numa delação irresponsável, inconsequente, que nunca dialogou com a vida real, nem com os fatos. Foram muitos meses de um profundo sofrimento pessoal em ver o nome da gente, a imagem da gente exposta da forma mais violenta possível e graças a Deus esse processo chega ao fim com o STF determinando o arquivamento. Sempre acreditei que a Justiça seria feita", disse o senador à reportagem.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade