Publicidade

Correio Braziliense

Alckmin: trem pode descarrilar se tiver carga para direita ou esquerda

Sob pressão de aliados por não deslanchar nas pesquisas, Alckmin tem se movimentado para conter as críticas internas do PSDB e reforçar o diálogo com setores da sociedade e com outros partidos


postado em 15/06/2018 13:20 / atualizado em 15/06/2018 13:29

Alckmin se esquivou de comentar se acreditava que a adesão do Democratas à candidatura de João Doria para a eleição ao governo de São Paulo(foto: Luis Nova/Esp. CB/D.A Press)
Alckmin se esquivou de comentar se acreditava que a adesão do Democratas à candidatura de João Doria para a eleição ao governo de São Paulo (foto: Luis Nova/Esp. CB/D.A Press)
O pré-candidato do PSDB à Presidência, Geraldo Alckmin, aproveitou a entrega de um prêmio do setor ferroviário, na noite dessa quinta-feira (14/6), na capital paulista, para tentar se mostrar, mais uma vez, como alternativa viável de centro nessas eleições presidenciais - sobretudo para aqueles que não desejam uma polarização entre a esquerda e a direita. 

No discurso de agradecimento que fez após receber o prêmio Ferroviário do Ano, concedido pela "Revista Ferroviária", o tucano destacou: "Quando uma carga está muito à direita ou quando está muito à esquerda, o trem descarrila", arrancando risos da plateia e concluindo com um trocadilho: "O Brasil "trem" jeito."

Sob pressão de aliados por não deslanchar nas pesquisas, Alckmin tem se movimentado para conter as críticas internas do PSDB e reforçar o diálogo com setores da sociedade e com outros partidos. Nesses últimos dias, apresentou o ex-governador de Goiás Marconi Perillo como coordenador político da pré-campanha e se reuniu com o presidente do PROS, Eurípedes Junior, e com o deputado Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da Força, líder do Solidariedade. 

A maior esperança, no entanto, reside no DEM. "É tudo que queremos", disse o próprio Alckmin na quarta-feira (13, em evento em Santa Catarina. Nesta quinta, durante a cerimônia que oficializou a aliança entre tucanos e demistas para a disputa do Palácio dos Bandeirantes, Doria afirmou que trabalhará para construir uma ampla aliança nacional em torno de uma única candidatura. "Obviamente e preferencialmente em torno de Alckmin" acrescentou. 

Aliança

Apesar do interesse em uma aliança com o DEM, Alckmin se esquivou de comentar se acreditava que a adesão do Democratas à candidatura de João Doria para a eleição ao governo de São Paulo, oficializada nesta quinta-feira em evento na capital paulista, significava que a legenda estava mais próxima de selar acordo parecido a nível nacional.

"Você tem o PSDB apoiando o DEM na Bahia, Pará e Rondônia" destacou o tucano ao Broadcast Político, após participar da premiação do setor ferroviário. Destacando que o DEM também tem nome lançado ao Planalto, o do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, o tucano concluiu que a questão das alianças deve ser definida "apenas em julho".

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade