Publicidade

Correio Braziliense

Em nova campanha, Temer vincula impopularidade à crise de governos passados

O governo usa atores para afirmar que o Brasil estava "no caos", com números comparáveis ao de um país "em guerra"


postado em 19/06/2018 12:50 / atualizado em 19/06/2018 16:53

(foto: Evaristo Sa/AFP)
(foto: Evaristo Sa/AFP)
O Palácio do Planalto estreou nesta terça-feira (19/6) nova campanha publicitária na qual vincula a impopularidade do presidente Michel Temer (MDB) ao cansaço da população por causa da crise econômica provocada por governos passados - sem citar o PT e a ex-presidente Dilma Rousseff, de quem Temer era vice-presidente. O governo usa atores para afirmar que o Brasil estava "no caos", com números comparáveis ao de um país "em guerra".

Sobre as cobranças por resultados econômicos melhores e impactos de medidas do governo, como a redução do desemprego, a propaganda oficial afirma que eles só virão no futuro: "O fato é que a maioria dessas mudanças que o governo fez só vão ser sentidas lá na frente."

Também sem menções ao processo de impeachment de Dilma, o governo Temer afirma que "teve que assumir esse pepino" em que todos estavam "passando por um sufoco terrível".
 
 
"A coisa foi muito séria, gente. Por isso, todo mundo fica irritado e impaciente mesmo, porque já está todo mundo cansado com todos esses anos de crise. Era uma batata quente de um lado para o outro, mas alguém tinha que resolver mesmo que isso gerasse a tal da impopularidade", relata o ator.

"Mesmo com todos os críticos, inclusive os que quebraram o País, alguém tinha que pegar essa batata quente. O rombo era gigante, a população estressada, tudo mundo queria uma solução rápida, mas, surpresa: em economia não existe solução mágica, gente. As coisas são feitas para corrigir o rumo, mas algumas vezes elas vão demorar um pouquinho até chegar na gente."

Com recorde de 82% de desaprovação, conforme a última pesquisa Datafolha, o governo Temer reconhece que está "todo mundo irritado, com raiva mesmo". "Raiva de tudo, raiva de todos e no final das contas sobra para todo mundo", diz o texto da peça publicitária.
 
 
As propagandas, divulgadas nas redes sociais da Presidência da República, começam com um apelo para quem "está aí reclamando do governo" assistir à argumentação do Planalto, interpretada por um homem e uma mulher, em cenas que simulam "depoimentos" sentados dentro de suas casas em frente à câmera. O tom é de uma conversa.

"Já temos vários números excelentes no País. A inflação, por exemplo, é a menor da nossa história, o juro a mesma coisa. Tem recorde nas exportações, na colheita, na Bolsa de Valores. Já são mais de dois milhões de postos de trabalho criados. Sim, mas ainda faltam milhões", diz um dos atores.

"A gente tem que entender que a gente só vai sentir os efeitos depois por isso, esse governo sempre se colocou como uma ponte, já sabia que era uma tarefa inglória, que ia levar pedrada de todo o canto, que seria impopular mesmo, porque uma ponte é uma coisa que te tira da lama e te leva para um lugar legal. Ela não é um lugar legal em si, mas sem ela não dá para chegar do outro lado. O problema é que a gente só enxerga isso depois que atravessou."

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade