Publicidade

Correio Braziliense

Temer e Pence devem conversar sobre situação de crianças brasileiras

O primeiro encontro entre os dois está marcado para o meio-dia no Palácio do Planalto


postado em 26/06/2018 07:48

Temer e Pence também vão tratar da situação dos refugiados venezuelanos abrigados em território brasileiro(foto: Saul Loeb/AFP)
Temer e Pence também vão tratar da situação dos refugiados venezuelanos abrigados em território brasileiro (foto: Saul Loeb/AFP)

 
Com a chegada em Brasília prevista para esta terça-feira (26/6) nas primeiras horas da manhã, o vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, faz a primeira visita de alto nível do governo Donald Trump ao Brasil, em meio a situações sensíveis entre os dois países, como a reclusão de crianças brasileiras em abrigos sem a presença de pais, apontados como imigrantes ilegais. O assunto, embora não esteja oficialmente na pauta de reuniões, deve ser tratado no encontro entre Pence, o presidente Michel Temer e o ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes Ferreira. O primeiro encontro entre os dois está marcado para o meio-dia no Palácio do Planalto.

Nessa segunda-feira (2/65), o cônsul-geral adjunto do Brasil em Houston, Felipe Santarosa, informou à Empresa Brasil de Comunicação (EBC), que 51 crianças brasileiras estavam em abrigos, separadas dos pais, assim como milhares de crianças e adolescentes de outras nacionalidades que tentaram ingressar no país sem os documentos oficiais. 

Temer e Pence também vão tratar da situação dos refugiados venezuelanos abrigados em território brasileiro. Segundo estimativas da Agência da Organização das Nações Unidas (ONU) para os Refugiados (Acnur), desde 2005 mais de 2 milhões de venezuelanos deixaram seu país e, até o momento, cerca de 50 mil ingressaram no Brasil.

Os Estados Unidos estão entre as nações que têm garantido ajuda, inclusive financeira, para o atendimento a essa população. Nesta quarta-feira (27/6), Pence viaja para Manaus, no início da manhã, para visitar um dos abrigos construídos para receber venezuelanos. A visita à Casa de Acolhimento Santa Catarina está marcada para as 11h.

Como o Brasil, os Estados Unidos, ao lado de várias nações, fazem críticas severas ao governo do presidente da Venezuela, Nicolás Maduro. Norte-americanos e brasileiros expressaram a insatisfação com o processo eleitoral que garantiu a reeleição de Maduro, levantando dúvidas sobre a isenção e o respeito à democracia. Nos últimos anos, o acirramento da crise econômica e política agravou o processo migratório de famílias inteiras, em busca de melhoras condições em países vizinhos. Brasil, Colômbia, Equador e Argentina são bastante procurados pelos venezuelanos.  

Ainda hoje, depois do Planalto, o vice-presidente americano participa de um almoço preparado para 24 autoridades no Itamaraty. Neste encontro, a expectativa é de que as conversas sobre temas de interesse bilateral continuem.

Além das questões migratórias, Brasil e Estados Unidos vão anunciar o acordo-quadro que inclui o avanço em negociações relacionadas à previdência social de comunidades brasileiras nos Estados Unidos, além da retomada de negociações para que empresas norte-americanas utilizem a base espacial de Alcântara, no Maranhão, para o lançamento de satélites.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade