Publicidade

Correio Braziliense

Fachin pede à PGR providências sobre depoimento de delator da J&F

Após avaliar o pedido, Raquel Dodge deverá pedir novas diligências no caso. Não há prazo para a medida


postado em 27/06/2018 17:52

(foto: Valter Campanato/Agência)
(foto: Valter Campanato/Agência)

 
O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin pediu nesta quarta-feira (27/6) à Procuradoria-Geral da República (PGR) que esclareça quais providências pretende adotar sobre um dos depoimentos de delação premiada de ex-executivos do grupo J&F. 

Em um depoimento complementar de delação enviado ao STF, o delator Florisvaldo Caetano de Oliveira disse que levou R$ 1 milhão ao escritório do coronel Lima, amigo do presidente Michel Temer, em 2014. Diante do depoimento, a procuradora-geral, Raquel Dodge, pediu ao STF que a citação fosse separada em um procedimento autônomo para avaliar a questão. 

No trecho da delação que chegou ao Supremo, Florisvaldo diz que "no ano de 2014, realizou, na companhia de Demilton, [outro delator] a entrega da quantia de R$ 1.000.000 (um milhão de reais) em espécie no escritório do coronel João Lima, ligado ao presidente da República Michel Temer, complementando que o local foi indicado por Ricardo Saud [delator]. No ato da entrega, o coronel determinou que colocassem os valores no porta-malas de um carro estacionado em frente ao edifício. Relembra que Ricardo Saud recomendou agilidade na entrega dos valores, diante da importância de seu destinatário”.

Após avaliar o pedido, Raquel Dodge deverá pedir novas diligências no caso. Não há prazo para a medida. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade