Publicidade

Correio Braziliense

Eike Batista é condenado a 30 anos de prisão em processo da Lava-Jato

Empresário que já foi o oitavo homem mais rico do mundo é acusado de repassar propina milionária para Sérgio Cabral


postado em 03/07/2018 11:28

(foto: Fernando Frazão / Agência Brasil - 31/1/17)
(foto: Fernando Frazão / Agência Brasil - 31/1/17)

O juiz Marcelo Bretas, responsável pelos processos da Operação Lava-Jato na Justiça Federal do Rio de Janeiro, condenou o empresário Eike Batista a 30 anos de prisão. A pena está definida na sentença da Operação Eficiência, que foi assinada pelo juiz na segunda-feira (2/7) e divulgada nesta terça-feira (3/7).

Eike está em prisão domiciliar desde abril deste ano, por decisão do ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF). De acordo com a decisão de Bretas, o passaporte do empresário deve continuar retido e ele está impedido de deixar o Brasil. 

Além do empresário, foram condenados no mesmo processo o ex-governador do Rio, Sérgio Cabral, que recebeu pena de 22 anos e oito meses de prisão; a ex-primeira dama; Adriana Ancelmo; o ex-secretário Wilson Carlos; o ex-braço direito de Cabral, Carlos Miranda; e o aliado de Eike, Flavio Godinho.  

De acordo com o Ministério Público Federal (MPF), Eike Batista repassou R$ 16,5 milhões em propina para Cabral, em um contrato forjado relacionado a uma mina de ouro. Dono de empresas do Grupo X, Eike já foi considerado o oitavo homem mais rico do mundo, com uma fortuna avaliada em cerca de R$ 34 bilhões. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade