Publicidade

Correio Braziliense

PT não vai arredar pé da candidatura de Lula, diz Gleisi

De acordo com Gleisi, Lula ficou frustrado por não ter sido solto, mas já "guardava dúvida" sobre a efetividade da decisão do plantonista do tribunal


postado em 09/07/2018 15:35

(foto: Nelson Almeida /AFP )
(foto: Nelson Almeida /AFP )

 
Um dia depois do vaivém jurídico em torno da prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a presidente nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PR), reafirmou nesta segunda-feira, 9/7, que a candidatura dele está mantida. "Vamos fazer um grande ato em Brasília no dia 15 de agosto para registrar a candidatura de Lula", ela disse, depois de participar de reunião do conselho político do partido, em São Paulo.

Estiveram no encontro diversas lideranças do PT, entre elas a ex-presidente Dilma Rousseff, o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad e o ex-governador da Bahia Jaques Wagner. Os dois últimos são cotados para substituir Lula na eleição presidencial, caso a Justiça Eleitoral o impeça de disputar o comando do Palácio do Planalto. 

A reunião ocorre um dia depois de o desembargador Rogério Favreto, plantonista do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) no último fim de semana, ter determinado a soltura de Lula. 

A decisão foi cassada pelo desembargador João Pedro Gebran Neto, relator do caso que condenou Lula. Favreto, em seguida, voltou a determinar a soltura, mas o presidente do tribunal, Thompson Flores, manteve a prisão.

Apesar de Lula continuar preso, Gleisi disse que "outra candidatura não está em discussão". Ela afirmou ainda que o partido pretende fazer uma "grande denúncia internacional" para mostrar o que acontece no Brasil. "Estamos vivendo um rompimento da ordem democrática, um aprofundamento do golpe e Lula é a grande vítima da situação".

Segundo a presidente do PT, o partido vai tomar todas as medidas judiciais possíveis para defender Lula, inclusive com uma representação no Conselho Nacional de Justiça para questionar as decisões que impediram a soltura do ex-presidente. 

De acordo com Gleisi, Lula ficou frustrado por não ter sido solto, mas já "guardava dúvida" sobre a efetividade da decisão do plantonista do tribunal.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade