Publicidade

Correio Braziliense

Cúpula do PR quer único nome para representar o centro

Caciques da legenda recusam Bolsonaro, escanteiam PT e buscam manter DEM, PP, PRB e Solidariedade unidos no Centrão


postado em 19/07/2018 06:00

Líder na Câmara, José Rocha diz que Josué Alencar é desejado por todos para formar a chapa(foto: Valter Campanato/Agência Brasil)
Líder na Câmara, José Rocha diz que Josué Alencar é desejado por todos para formar a chapa (foto: Valter Campanato/Agência Brasil)

Depois de recusarem Jair Bolsonaro (PSL) e escantearem o PT, os caciques do PR buscam unidade com o  Grupão, formado por DEM, PP, PRB e Solidariedade, do Centrão do Congresso. Com as negociações aceleradas, a ideia é, até a semana que vem, ter um nome próprio que represente os interesses dos partidos de centro na disputa pelo Planalto. Nesse cenário, Ciro Gomes (PDT) e Geraldo Alckmin (PSDB) são favoritos.

A busca dos pré-candidatos pelo apoio do Partido da República se estende há várias semanas. Todos de olho no tempo de televisão do PR e na propaganda partidária. Se fechar com as outras quatro legendas de centro, a cobiça ficará ainda maior. Além de contar com 1 minuto e 30 segundos de aparição, o presidenciável puxaria 4 minutos e 18 segundos dos demais, o que contabilizaria 5 minutos e 48 segundos. A aliança com o PR e o centrão também construiria uma imponente base de apoio no Congresso pós-eleições.

Com a movimentação do PR, Ciro Gomes (PDT) e Geraldo Alckmin (PSDB) se consolidam como os nomes com mais chances de receber quase 6 minutos a mais de exposição na tevê. Correndo por fora, o pré-candidato do Podemos, senador Álvaro Dias, ainda tem chance. Na última terça-feira, Jair Bolsonaro (PSL), que chegou a cotar Magno Malta (PR-ES) como vice e chamar a relação com o PR de “noivado”, desistiu da aliança, alegando que não cederia às cobranças do partido comandado por Valdemar Costa Neto.

“Já estava certo com o Bolsonaro, mas surgiu o imprevisível: a questão do Rio de Janeiro”, disse o líder do PR na Câmara, José Rocha (PR-BA). Ele se refere à negativa de Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) em replicar a aliança com a legenda de Valdemar no Rio de Janeiro, onde o filho do militar pretende se candidatar ao Senado. O PT também ficou de lado, apesar de ser estimado por Josué Alencar, empresário filiado ao PR, e bem quisto por outros integrantes da legenda republicana. A indefinição do cenário petista com o ex-presidente Lula preso preocupa os dirigentes.

Peça-chave

Com a definição do PR pelo centro, o PT ficou de lado. Estimado por Josué Alencar, empresário filiado ao PR, e benquisto por outros integrantes da legenda republicana, o partido do ex-presidente Lula é tido como descartado. Isso porque a indefinição do cenário com o líder petista preso preocupa os dirigentes.

Como tentativa de repetir o cenário de 2002, quando José Alencar, à época do PL, foi vice de Lula, o nome de Josué Alencar, filiado ao PR em Minas Gerais e filho do ex-vice-presidente, ganhou força para compor chapas de esquerda. Pré-candidato oficial do PR, é tido como vice ideal tanto de Lula quanto de Ciro. “O Josué é um nome desejado por todos”, contou o líder José Rocha. O mineiro é peça-chave nas negociações e será importante na consolidação de futuras alianças.

Ontem, em Brasília, Valdemar Costa Neto encontrou-se com Rocha. A expectativa é de que, até terça, as legendas votem de forma colegiada para apontar um nome único na disputa pelo Planalto.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade