Publicidade

Correio Braziliense

Especialistas veem 'alto risco' na candidatura de Bolsonaro

O professor da UnB David Fleischer avaliou que o problema é que as siglas não têm um "candidato agregador"


postado em 19/07/2018 13:48

(foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
(foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
 
A candidatura de Jair Bolsonaro (PSL) ao Palácio do Planalto é vista pelo sistema partidário como sendo de "alto risco", segundo cientistas políticos ouvidos nesta quarta-feira (18/7) pelo jornal O Estado de S. Paulo. 

Para o professor da USP Glauco Peres, o cálculo que os partidos têm feito é se vale a pena apoiá-lo, já que, por causa da reforma eleitoral, as candidaturas para o Legislativo passaram a ser prioridade. "Bolsonaro é um candidato de alto risco. Os partidos agora têm menos dinheiro e querem sobreviver à cláusula de barreira. Apesar de ele estar bem na pesquisa, a chance de chegar ao segundo turno e vencer tem muito risco associado", afirmou Peres.

O professor da UnB David Fleischer avaliou que o problema é que as siglas não têm um "candidato agregador". Os presidenciáveis Ciro Gomes (PDT), Marina Silva (Rede) e Geraldo Alckmin (PSDB) não cumpririam esse papel, segundo ele. "Bolsonaro é tóxico e os partidos têm medo de isso prejudicar suas outras candidaturas", disse Fleischer.

Na avaliação de Carlos Melo, do Insper, Bolsonaro está "confinado" num campo significativo, mas restrito da sociedade. Segundo ele, para grande parte dos partidos, pouco interessa apostar num eventual "campeão" de primeiro turno que fique no meio do caminho, no segundo turno. "Políticos fazem a conta e são avessos a riscos", explicou. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade