Publicidade

Correio Braziliense

Posto de vice-presidente ainda é incógnita para maioria dos partidos

Até agora, somente o PSol e PSTU decidiram quem serão os candidatos


postado em 24/07/2018 06:00 / atualizado em 24/07/2018 14:10

Marina enfrenta dificuldades para atrair outros partidos: presidente do Flamengo é cotado para ser o vice(foto: Evaristo Sá/AFP)
Marina enfrenta dificuldades para atrair outros partidos: presidente do Flamengo é cotado para ser o vice (foto: Evaristo Sá/AFP)
Mesmo com o início das convenções partidárias, o posto de candidato a vice-presidente ainda é uma incógnita para a maioria das legendas. As reuniões terminam em 5 de agosto, mas é bem provável que a maioria deixe para indicar a chapa depois desse período. Até agora, apenas dois partidos apresentaram o nome do vice. Os outros esperam ainda ter tempo de formar alianças em troca do cargo e garantir um apoio mais forte em um possível governo.

Das legendas que devem disputar a corrida ao Palácio do Planalto, há apenas dois que, até agora, oficialmente decidiram pela chapa: PSol e PSTU. No último sábado, Sônia Guajajara foi lançada como vice na chapa de Guilherme Boulos (PSol) durante convenção partidária. No segundo caso, o PSTU optou por não fazer coligações ou alianças com outros partidos e lançou Vera Lúcia e Herz Dias para presidência e vice-presidência, respectivamente.

No cenário atual, outros partidos podem escolher as chapas puro-sangue, ou seja, quando os dois cotados são do mesmo partido. Com a dificuldade de fazer alianças, é possível que outros optem pela própria legenda. Uma dessas possibilidades é de Jair Bolsonaro (PSL), que tem dificuldades para emplacar até uma chapa da própria sigla. Após ser recusado pelo senador Magno Malta (PR-ES), e depois de o general Augusto Heleno (PRP) ter sido barrado pelo próprio partido, a tendência era de que a vaga ficasse para a advogada Janaína Paschoal, filiada ao PSL. O problema é que, em discurso na convenção, no último domingo, Paschoal não agradou aos integrantes da legenda.

Porém, de acordo com o gerente de area de análise política da consultoria Prospectiva, Thiago Vidal, uma chapa puro-sangue pode prejudicar ainda mais um partido, já que disputa o Planalto sem alianças fortes. “No caso do Brasil, essa não é só a pior estratégia, como também é, na maioria dos casos, um sintoma do fracasso de negociação”, avaliou.

Conversas

O presidenciável Ciro Gomes (PDT) também tem desafios para compor a chapa. Em discurso no dia da convenção partidária, na sexta-feira, Ciro apontou para os partidos de esquerda ao criticar privilégios e tentou trazer para si aliados. Desde o início da pré-campanha, ele tenta conseguir o apoio do PSB, que ainda não decidiu se o apoiará, se escolherá o PT ou se optará pela neutralidade. O pedetista ainda espera a aliança para conseguir montar a chapa. Sem isso, ainda há a possibilidade de que ele vá sozinho para a campanha. “Se Ciro ou Marina fizerem isso, tendem a cair. Ele, um pouco menos, mas Marina com certeza. Se ele consegue o PSB, está bem na ‘fita’. Se não consegue, ainda assim, estaria melhor do que ela, já que o PDT tem uma estrutura maior”, opinou Vidal.

No caso de Marina, a dificuldade ainda é alta para atrair outros partidos. Houve uma especulação sobre um nome fora da política, o presidente do Flamengo, Eduardo Bandeira de Mello, mas mesmo com a convenção marcada para 4 de agosto, não há nenhuma estimativa de que a possibilidade possa ser concretizada.

Nesse sentido, quem está melhor é Geraldo Alckmin (PSDB), que conseguiu trazer o centrão — bloco formado por DEM, PP, PRB, PR e Solidariedade — à campanha. O acordo pode trazer o maior tempo de propaganda política entre os candidatos. E enquanto os partidos sofrem pela falta de escolha para vice-presidente, Alckmin tem à disposição cinco legendas com quem poderá compor chapa. “Ele está disparado na frente. As pessoas criticavam Alckmin pelo resultado nas pesquisas, mas quem conseguiu fechar, pelo menos pré-oficialmente, uma base ainda robusta foi ele”, argumentou Vidal. Atualmente, a tendência é de que o partido opte pelo filho do ex-vice-presidente José Alencar, Josué Gomes .

A vez do filho de Alencar


No cenário que começa a se desenhar para a corrida presidencial, o nome do empresário Josué Gomes (PR), também conhecido como Josué Alencar, tem sido cobiçado em vários recantos políticos. Filho do ex-vice-presidente José Alencar, ele é estimado pelo PT e, ao mesmo tempo, a principal aposta do adversário PSDB. Apesar das afinidades políticas com o partido do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, tudo indica que, consolidado o apoio do centrão — grupo de partidos que reúne PR, DEM, Solidariedade, PP e PRB — ao pré-candidato Geraldo Alckmin (PSDB), Josué será mais uma das conquistas do tucano, com quem se encontrou ontem, em São Paulo, para discutir detalhes da possível chapa.

Embora esteja prestes a aceitar a vaga de vice-presidente ao lado de Alckmin, o filho de José Alencar mantém conversas com o PT, que ainda tenta puxá-lo para ser vice de Fernando Pimentel na disputa pelo governo de Minas Gerais. Antes de ser preso, Lula cogitava reformular a chapa que o elegeu em 2002, com Josué no lugar de José.

Além de ser um nome que agrada aos dois lados da velha dicotomia PT-PSDB, Josué também chama a atenção de figuras vistas como mais “extremistas”, como Jair Bolsonaro (PSL), que tentou o apoio do PR no início da busca por alianças, e Ciro Gomes (PDT), que tinha ele como uma das primeiras opções de vice quando o pedetista ainda tentava o apoio do Centrão. Decidido a apoiar Alckmin, o grupo se reúne nesta quinta-feira, em Brasília, para formalizar a aliança, anunciada na semana passada. A expectativa é de que, no encontro, Josué aceite o convite para ser vice do tucano.

Não é só o parentesco com José Alencar, popular vice de Lula entre 2003 e 2010 e que morreu em 2011, que faz com que Josué seja “a noiva da vez”, nas palavras do cientista político André César, da Hold Assessoria Parlamentar. Outros atributos valorizados são o fato de ele não ter envolvimento político e de não estar ligado a escândalos de corrupção. Aos 54 anos, o empresário, dono da Coteminas, também entra na categoria “jovem” para os padrões da política brasileira, o que é um bônus, explicou o especialista. “Esses pontos são importantes em uma disputa carente de nomes e em meio a uma crise política”, observou César. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade