Publicidade

Correio Braziliense

Partido de Bolsonaro cria cúpula para se contrapor ao Foro de São Paulo

Evento ocorreria este mês, mas foi adiado para evitar que o pré-candidato seja acusado de campanha antecipada


postado em 26/07/2018 08:03 / atualizado em 26/07/2018 12:36

Integrantes da campanha afirmaram que Bolsonaro ficou irritado com o custo do evento: R$ 200 mil(foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
Integrantes da campanha afirmaram que Bolsonaro ficou irritado com o custo do evento: R$ 200 mil (foto: Ed Alves/CB/D.A Press)

Depois de um dia de hesitações do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) sobre a conveniência de participar da Cúpula Conservadora das Américas, a organização do evento anunciou, nesta quarta-feira (25/7), o adiamento de 28 de julho para 8 de dezembro. O temor de possíveis acusações de campanha antecipada, com risco de impugnação da candidatura na Justiça Eleitoral, foi crucial para a decisão do comando da legenda. O evento pretende congregar a direita latino-americana e se contrapor ao Foro de São Paulo, realizado semana passada em Cuba com a presença de representantes da esquerda. 

A reportagem apurou que, inicialmente, Bolsonaro decidiu cancelar sua participação na cúpula — organizada pelos deputados do PSL Fernando Francischini (PR) e Eduardo Bolsonaro (SP). Depois, ele chegou a cogitar ir à reunião, mas cancelar a palestra que estava programada. No início da noite, Eduardo anunciou em seu perfil do Facebook a mudança final. "A transferência foi motivada pela posição do presidente em exercício do PSL, Gustavo Bebianno, no sentido de que o evento poderia gerar questionamentos perante a Justiça Eleitoral", escreveu.

Integrantes do comando de campanha afirmaram que Bolsonaro teria ficado irritado com o custo do evento, que já chegaria a R$ 200 mil. Oficialmente, a organização informa que a reunião custará no "máximo R$ 100 mil", pagos pela Fundação Indigo, ligada ao partido. O Centro de Estudos em Seguridade (CES) apoiará o encontro.
 

Dificuldades na articulação

A confusão em torno da reunião foi mais uma das dificuldades que têm envolvido a articulação da chapa do candidato, que lidera as pesquisas quando o ex-presidente Lula é excluído. Bolsonaro não consegue atrair partidos para uma aliança que amplie seu tempo de propaganda no rádio e na televisão, nem arregimentar um candidato a vice para compor sua chapa.

Há ainda rivalidades entre os antigos apoiadores de Bolsonaro, que o seguem ao longo de vários mandatos parlamentares, e os recém-chegados, atraídos pela campanha eleitoral. O presidente de honra e fundador do PSL, Luciano Bivar, protagoniza disputas com Bebianno e o vice do partido, Julian Lemos. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade