Publicidade

Correio Braziliense

PV veta Bolsonaro e avalia se indica vice da chapa de Marina Silva

Os dirigentes do partido se reuniram neste sábado e também decidiram liberar os diretórios para compor as alianças estaduais


postado em 28/07/2018 16:32 / atualizado em 28/07/2018 17:43

Bolsonaro é considerado
Bolsonaro é considerado "retrocesso muito grande" pelo PV (foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)

A convenção nacional do Partido Verde (PV), neste sábado (28/7), terminou com uma só certeza: Bolsonaro não. Os dirigentes da sigla decidiram que os diretórios estaduais podem firmar as alianças que considerarem mais oportunas e ainda avaliarão se indicam um nome para vice de Marina Silva (Rede). Já sobre Jair Bolsonaro, pré-candidato do PSL à Presidência, a sigla não teve dúvidas: vetou qualquer tipo de apoio ao deputado federal do Rio de Janeiro.


"Nós votamos um veto. Nós estamos para Bolsonaro como o diabo está para o alho", brincou o presidente nacional do partido, José Luís Penna. "É um retrocesso muito grande", justificou.

Na reunião, realizada em Brasília, a sigla recebeu a proposta de compor chapa com a presidenciável Marina Silva (Rede), mas afirmou que ainda vai se reunir para decidir sobre o assunto. A resposta deve ser dada antes de 5 de agosto. 

Porém, mesmo que haja uma chapa em conjunto com Marina, Penna garantiu que os estados estarão liberados para fazer as alianças que acharem mais convenientes, visando a eleição de representantes na Câmara dos Deputados. "Eles estão independentes nesse esforço de fazer edição para parlamentar", comentou. "Vamos respeitar todos os acordos políticos feitos. Estamos lutando pela sobrevivencia", disse. 

Penna espera que o PV eleja 12 deputados em outubro. "É importante que a gente tenha a consciência de que estamos fazendo um ato de resistência política. Precisamos compreender esse momento e agir pragmaticamente, fazendo uma quantidade boa de deputados federais e (contribuindo para) uma eleição que possa ter compromissos mínimos com o nosso programa", afirmou. 

Penna também criticou a forma como o fundo eleitoral é dividido. Segundo ele, da forma como é feito agora, beneficia os partidos maiores. "Então, acho que o mais importante nesse momento, nessa abertura pública, é dizer o nosso posicionamento. Somos um partido jovem de ideia milenares. Temos que sobreviver", completou.

Bancada do meio ambiente

O porta-voz da Rede Sustentabilidade, Pedro Ivo, também esteve presente na convenção. Ele é colaborador da pré-candidata à Presidência Marina Silva, que, em 2010, disputou o Planalto pelo PV. Em discurso, Ivo citou que ambos os partidos têm afinidades de projetos, que não envolvem apenas a questão da sustentabilidade. 

"Temos a obrigação de lutar para aumentar essa bancada do meio ambiente. Porque não dá para imaginar o Brasil sem uma bancada a favor de pautas sustentáveis. Temos de pensar em eleger mais bancada de deputados federais, não apenas nas eleições majoritárias", disse.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade