Publicidade

Correio Braziliense

Alckmin diz que apresentará em janeiro reformas política e tributária

Caso seja eleito neste pleito, o tucano disse que nenhum partido vai ter 10% do Congresso, mas frisou que é preciso usar a força do voto que existe no sistema presidencialista para que essas reformas sejam aprovadas


postado em 30/07/2018 13:06

O pré-candidato afirmou, ainda, que seu vice será definido(foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
O pré-candidato afirmou, ainda, que seu vice será definido (foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
O pré-candidato do PSDB à Presidência da República, Geraldo Alckmin, afirmou nesta segunda-feira (30/7), em encontro com empresários em Belo Horizonte, que um grupo de especialistas já trabalha com as propostas das reformas política e tributária. Caso seja eleito neste pleito, ele promete apresentá-las já em janeiro. O tucano disse que nenhum partido vai ter 10% do Congresso depois das eleições de 2018, mas frisou que é preciso usar a força do voto que existe no sistema presidencialista para que essas reformas sejam aprovadas. 

Aos empresários, o ex-governador de São Paulo lembrou também que o próximo presidente da República herdará um rombo nas contas públicas de cerca de R$ 139 bilhões.

Segundo Alckmin, "na área federal é impressionante o que dá para reduzir em gastos. Mas é preciso estancar o déficit fiscal no Brasil, ou ele engole os esforços que fazemos para cortar esses gastos". 

Vice 

O pré-candidato afirmou, ainda, que seu vice será definido "sem correria", até sábado (4/8), quando acontece a convenção do PSDB, e que o escolhido não será do seu partido nem de São Paulo. "Temos bons nomes, que seguirão essa linha da redução do Estado e foco no crescimento e aumento da renda".

Geraldo Alckmin participa nesta segunda-feira de um debate com empresários em Belo Horizonte. Estão presentes representantes de entidades como a Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL BH), Associações Comerciais e Empresariais (Federaminas), Federação das Indústrias (Fiemg), Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas (FCDLs), Centro Industrial e Empresarial (CIEMG), Associação Comercial e Empresarial de Minas (ACMinas), Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Minas Gerais (Fecomércio) e Federação da Agricultura (Faemg).

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade