Publicidade

Correio Braziliense

PCdoB oficializa candidatura de Manuela D'Ávila à Presidência da República

A convenção foi marcada pela participação de deputados e senadores do partido que se revezaram na tribuna com discursos que exaltavam a trajetória política de D'Ávila


postado em 01/08/2018 16:52

Manuela deixou aberta a possibilidade de ainda desistir da sua candidatura para integrar, como vice, a chapa de outro candidato(foto: Minervino Junior/CB/D.A Press)
Manuela deixou aberta a possibilidade de ainda desistir da sua candidatura para integrar, como vice, a chapa de outro candidato (foto: Minervino Junior/CB/D.A Press)

Em uma convenção realizada na Câmara dos Deputados, em Brasília, o PCdoB oficializou nesta quarta-feira (1/8), a deputada estadual no Rio Grande do Sul, Manuela D'Ávila, como candidata à Presidência da República. 

O evento foi marcado pela participação de deputados e senadores do partido que se revezaram na tribuna com discursos que exaltavam a trajetória política de D'Ávila e tratavam a sua candidatura como um contraponto ao avanço das forças conservadoras no País. 

Militantes do partido lotaram o auditório Nereu Ramos, na Câmara Com tambores, eles comemoram a votação, feita por aclamação. Durante o ato de oficialização da sua candidatura pelo PCdoB à Presidência da República, Manuela deixou aberta a possibilidade de ainda desistir da sua candidatura para integrar, como vice, a chapa de outro candidato.

Seu nome é tido como um dos possíveis para ser a vice do ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad, que pode assumir a candidatura do PT diante da impossibilidade de o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva de ser o candidato da sigla porque está preso.

"Nós nunca fomos e nunca seremos óbice para o nosso campo político", disse Manuela durante o discurso. "Sou candidata porque defendo a unidade da esquerda até o último dia", afirmou. Questionada se uma união do PCdoB apenas com o PT seria suficiente para que ela abrisse mão da sua candidatura, Manuela afirmou, porém, esperar que a composição seja "mais ampla". "Hoje essa não é a maior tendência". 

Para ela, a esquerda no País precisa se unir para "tirar o Brasil da crise". "Dentro do nosso campo, temos diferenças pequenas dentro do que representa a crise pela qual passam os brasileiros", afirmou. Sobre a escolha de um nome para ser seu vice, Manuela afirmou que o partido ainda discute as possibilidades internamente e que a escolha será anunciada no limite da data estabelecida para o registro da chapa. "Deixa o vice para um segundo momento. São cenas do próximo capítulo". 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade