Publicidade

Correio Braziliense

'Não temos nada a temer', diz Alckmin sobre suposta delação que o citaria

Informações de que ex-secretário de transportes do candidato o teria envolvido numa delação premiada fizeram a bolsa cair e o dólar subir na terça-feira


postado em 08/08/2018 10:59 / atualizado em 08/08/2018 11:14

(foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
(foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
 
O candidato à Presidência pelo PSDB, Geraldo Alckmin, negou que tenha sido citado em uma suposta delação do ex-secretário Laurence Casagrande e disse que a prisão do ex-subordinado não deve atrapalhar sua campanha.

"Quero dizer primeiro que defendemos toda a investigação e que toda experiência que tivemos com Laurence Casagrande foi de uma pessoa correta. Quando assumi o governo, coloquei um procurador do Estado na secretaria de Logística e ele escolheu Casagrande. Não temos nada a temer", afirmou o ex-governador de São Paulo ao Estado de S. Paulo.

Na terça-feira (7/8), rumores de que Casagrande — ex-secretário de Transportes de São Paulo e ex-presidente da Desenvolvimento Rodoviário S/A, empresa controlado pelo governo estadual — teria citado Alckmin em uma delação circularam nas mesas de operação do mercado financeiro e ajudaram a bolsa a cair e o dólar a subir.

Os boatos começaram no começo da tarde e, por volta das 14h30, o Ibovespa, índice que mede a lucratividade das ações mais negociadas na Bolsa paulista, começou a cair, chegando a registrar queda maior que 1% e encerrando o dia com baixa de 0,87%.

Já o dólar, que operava praticamente estável, acabou ganhando força com os boatos e fechou o dia cotado a R$ 3,77, com alta de R$ 0,91.
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade