Publicidade

Correio Braziliense

Marun avalia que cenário fiscal dificulta reajuste dos ministros do Supremo

Ministro da Secretaria de Governo da Presidência da República representa um conflito entre o 'justo e o possível' para a concessão do aumento de 16,38%


postado em 09/08/2018 16:22 / atualizado em 09/08/2018 16:26

Marun:
Marun: "Pode até existir justiça, o que me preocupa é a possibilidade. É possível isso ser feito neste momento? Em relação a isso, eu não sei" (foto: José Cruz/Agência Brasil)

O governo está apreensivo com a proposta de reajuste de 16,38% aos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF). A possibilidade de um aumento de R$ 4,5 bilhões sobre o Orçamento-Geral da União preocupa o ministro-chefe da Secretaria de Governo da Presidência da República, Carlos Marun. Para o responsável pela articulação política entre o Palácio do Planalto e o Congresso, a proposta aprovada pelos ministros do STF representa um conflito entre o “justo e o possível”.

A correção sobre o salário dos magistrados da Suprema Corte atende a um lobby de procuradores e juízes federais. Os servidores do primeiro escalão do Judiciário alegam que há quatro anos não têm os vencimentos reajustados. O aumento dos salários dos ministros, que recebem o teto do funcionalismo, possibilitaria o reequilíbrio remuneratório de demais carreiras.

Para Marun, é uma situação justa. No entanto, ele acredita que o cenário fiscal não é adequado para atender a demanda. "Eu tenho preocupações em relação à possibilidade (do reajuste), já que o Brasil adia a tomada de determinadas atitudes que temos e teremos que tomar. Acho que, aí, podemos ter um conflito em se analisando os números e consolidada essa posição de quatro anos (sem aumento). Pode até existir justiça, o que me preocupa é a possibilidade. É possível isso ser feito neste momento? Em relação a isso, eu não sei", declarou.

O impacto anual de R$ 4,5 bilhões sobre o orçamento em decorrência da proposta de reajuste dos salários dos ministros do STF pode ser maior. A medida abre margem para que outras categorias trabalhistas do funcionalismo barganhem aumentos salariais.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade