Publicidade

Correio Braziliense

Paulo Guedes descarta possibilidade de ser um 'superministro' de Bolsonaro

O economista disse ainda que não há salvador da Pátria


postado em 24/08/2018 11:55 / atualizado em 24/08/2018 12:11

(foto: Credit Suisse/Divulgação)
(foto: Credit Suisse/Divulgação)
 

 

O economista Paulo Guedes, um dos principais nomes da equipe do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), descartou a possibilidade de ser um superministro em um eventual governo do candidato. Em entrevista ao programa Central das Eleições, da GloboNews, na noite de quinta-feira, (23/8), o economista disse ainda que não há salvador da Pátria.

"Não existe 'posto Ipiranga', salvador da Pátria. Isso é uma construção coletiva", afirmou Guedes, em referência à maneira como Bolsonaro o chama publicamente, já que o consulta quando o assunto é economia.

Paulo Guedes é ex-sócio do Pactual (hoje BTG) e do Ibmec, e atual sócio da Bozano Investimentos. Ele é o responsável por formular o programa econômico do candidato do PSL.

Na entrevista, Guedes também descartou a ideia de ser um superministro. "O economista vai propor coisas duras, o presidente vai dar uma amaciada e depois, quando ele for negociar com o Congresso, vão dar outra amaciada", disse.

Segundo ele, o resultado final seria um projeto diferente do que o economista propôs e do que o Congresso queria. "Como sempre aconteceu, é a história do Brasil."

No programa, Guedes comentou ainda sobre projetos para educação, agricultura, previdência e apresentou ideias para reduzir o déficit público.

Ele defendeu também a venda de empresas estatais. "A União tem que vender ativo. A Petrobras vende refinaria. E o governo pode vender a Petrobras, por que não?", questionou.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade