Haddad diz que discutirá decisão do TSE com Lula na segunda-feira

O candidato do PT à vice-presidência admitiu a possibilidade de alteração no programa eleitoral do partido se o ex-presidente foi proibido de concorrer como candidato

Haddad disse que não há tempo de alterar a propaganda eleitoral do PT que vai ao ar neste sábado (1/9) - Foto: Carlos Moura/CB/D.A Press

O candidato a vice-presidente pelo PT, Fernando Haddad, afirmou na tarde desta sexta-feira (31/8), que discutirá na próxima segunda-feira (3/8) com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva sobre o que fazer após o julgamento do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que deve analisar ainda hoje o registro da candidatura de Lula, preso e condenado na Lava Jato.

Durante coletiva de imprensa em Fortaleza, Haddad admitiu a possibilidade de alterar o programa eleitoral do PT a partir da próxima terça-feira (4/9) se a Justiça Eleitoral proibir a aparição de Lula como candidato no rádio e na TV.

Apontado como substituto de Lula na eleição, Haddad manifestou "desolação" com a decisão da corte eleitoral de julgar o registro antes das alegações finais da defesa do petista. "A nossa chapa não pode apresentar, contrariando o que aconteceu com todos os outros pedidos, as alegações finais em um quadro em que o que está em jogo é o direito do povo eleger o seu presidente", declarou.

Haddad disse que não há tempo de alterar a propaganda eleitoral do PT que vai ao ar neste sábado (1/9) e as inserções veiculadas nesta sexta-feira (31/8). O TSE pode se manifestar proibindo a aparição de Lula como candidato no horário eleitoral. Na próxima terça-feira, porém, quando os candidatos à Presidência veiculam o segundo programa eleitoral, a propaganda poderá ser alterada, disse Haddad.

"Qualquer que seja a decisão, não pode ter vigência imediata porque os programas já estão sendo transmitidos agora. Nós temos inserções que foram transmitidas hoje para o horário eleitoral. Como vai fazer uma decisão retroagir? Não vejo esse risco", disse Haddad.
"Mas o programa de terça talvez tenha que passar por alguma modificação dependendo da decisão, que eu espero que seja favorável, de acordo com o direito internacional."

Antes da entrevista, Haddad visitou o presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), candidato à reeleição, e confirmou o apoio do senador à candidatura do PT. "Ele pretende votar no presidente Lula e, diante de qualquer resultado para a Justiça Eleitoral, pretende votar no Lula e ou quem ele indicar", afirmou o candidato a vice.

Comentando mais uma vez o apoio do governador Camilo Santana (PT) a Ciro Gomes (PDT), Haddad mandou um recado ao petista. "O Camilo é do PT e tem compromisso com o partido e com a candidatura do partido", disse Haddad, ressaltando que compreende os "compromissos locais" do governador e que não tem dúvidas de que ele apoiará Lula se a candidatura do ex-presidente for autorizada pela Justiça.

.