Publicidade

Correio Braziliense

Ciro, Alckmin e Marina traçam estratégias para chegar ao segundo turno

De acordo com as últimas pesquisas, os três candidatos estão embolados em segundo lugar na preferência do eleitorado


postado em 07/09/2018 07:00

Ciro visitou Pernambuco e Sergipe, dando início a uma peregrinação por seis estados da Região Nordeste(foto: Reprodução/WhatsApp)
Ciro visitou Pernambuco e Sergipe, dando início a uma peregrinação por seis estados da Região Nordeste (foto: Reprodução/WhatsApp)

Com as oscilações positivas de Ciro Gomes (PDT) e Geraldo Alckmin (PSDB) na última pesquisa de intenção de voto divulgada pelo Ibope, a disputa pelo segundo lugar na preferência do eleitorado se embolou. O pedetista, a candidata da Rede, Marina Silva, e o tucano estão tecnicamente empatados e, agora, traçam estratégias para ganharem impulso na corrida eleitoral. Ciro Gomes foca no Nordeste, onde saltou de 14% para 20%. Ele começou ontem uma peregrinação por, pelo menos, seis estados. Marina e Alckmin optaram por São Paulo, que conta com 33 milhões de eleitores — 26,4% do eleitorado — e a maioria das emissoras de TV e rádio.

Ontem, o dia dos presidenciáveis foi marcado pelo ataque contra o candidato do PSL, Jair Bolsonaro. No momento do atentado, Ciro cumpria agenda em Caruaru (PE), Marina concedia entrevista a uma rádio em São Paulo e Geraldo cumpria agenda em Ponta Porã (MS). Todos soltaram nota condenando o ato, mas a peregrinação não foi interrompida. No entanto, cancelaram os compromissos de hoje, em respeito à recuperação de Bolsonaro.

Em Ponta Porã, município na fronteira com o Paraguai, Alckmin apresentou propostas para a segurança pública. “O Brasil tem um grave problema nessa área, muito ligado ao tráfico de drogas e de armas. Então, a questão das fronteiras é essencial. Nós temos mais de 16 mil quilômetros de fronteira seca”, disse. Pela manhã, em uma sabatina em São Paulo, criticou Michel Temer, que divulgou vídeo contra ele.

Em São Paulo, Marina almoçou em um restaurante comunitário, visitou projetos e, no fim da tarde, deu entrevista a uma rádio. Ela tratou de temas diversos, como agronegócio, saúde pública e articulação política. Depois de condenar o ataque a Bolsonaro, reforçou a vontade de estar no segundo turno. “Estamos preparados para ganhar de quem quer que seja, unindo o Brasil. Não vamos construir nada na base da violência”, sustentou.

Ciro visitou Sergipe e Pernambuco. Foi a largada da corrida pelos votos do Nordeste. Ele recebeu apoio de correligionários nos dois estados e buscou reforçar os vínculos com a região. Em Caruaru (PE), visitou uma feira de artesanato e participou de um debate. O pedetista não quis demonstrar satisfação com os números dos levantamentos. “Pesquisa é retrato de momento e a vida não é retrato, é filme”, afirmou.

Para o professor Emerson Urizzi, especialista em Comunicação Política e Opinião Pública da Universidade Federal do Paraná (UFPR), Alckmin e Ciro têm mostrado estratégias claras. “O Geraldo está convencido de que disputa o mesmo eleitorado do Bolsonaro e, por isso, vem atacando o oponente. O Ciro está com a missão de popularizar a campanha e sabe que tem de entrar nas classes mais pobres”, analisou.

Urizzi alerta que a tática de Alckmin tem o risco do “efeito bumerangue”. “Quem critica também leva”, explicou. Quanto a Ciro, o especialista diz que os números mais altos podem ser uma resposta à proposta “Nome Limpo”. “A ideia do SPC foi apresentada antes do horário eleitoral, então podemos estar vendo o reflexo disso.”

 

Batalha de vídeos

Adversários do presidenciável Geraldo Alckmin (PSDB) estão usando vídeos em que o presidente Michel Temer ataca o tucano para vincular o candidato do PSDB ao governo do emedebista. Desde ontem, Temer publicou dois vídeos chamando a atenção de Alckmin. No primeiro, disse que o tucano estava colocando “falsidades” em seu programa eleitoral ao negar que partidos de sua coligação integram a base do governo. Na segunda gravação, Temer reforçou que os tucanos o auxiliaram na aprovação de reformas.

Temer ficou irritado por não ter quem defenda seu legado e resolveu responder aos que o criticam. No primeiro vídeo, o presidente ressaltou que os partidos que compõem a coligação do tucano na campanha eleitoral são os mesmos que integram a base do seu governo. Nas redes sociais, candidatos do PT usaram o vídeo para reforçar o discurso de que o candidato de Temer — que foi aliado do partido e duas vezes vice de Dilma — na campanha seria Geraldo Alckmin. “Restabelecendo o que é fato. Afe!!!”, escreveu a presidente do partido, senadora Gleisi Hoffmann (PR)

O deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), também fez a vinculação, assim como  Guilherme Boulos, candidato do Psol .Ontem, um terceiro vídeo de Temer foi dirigido a Fernando Haddad (PT), que deve assumir a candidatura petista à Presidência. 

 

Por onde andam

 

Confira a agenda dos candidatos nos próximos dias. A programação de hoje foi cancelada depois do atentado a Jair Bolsonaro (PSL)

Marina Silva

6/9 

São Paulo

10/9

Bahia (a confirmar)

Ciro Gomes
6/9

Sergipe

Pernambuco
Rio Grande do Norte


8/9
Ceará
Paraíba
9/9
São Paulo

Geraldo Alckmin
6/9
São Paulo
Mato Grosso do Sul

8/9
Santa Catarina

9/9
São Paulo

 

*Estagiário sob supervisão de Odail Figueiredo 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade