Publicidade

Correio Braziliense

Marina Silva minimiza queda de cinco pontos em pesquisa Datafolha

A pesquisa do Datafolha divulgada, nessa segunda-feira (10/9), mostrou que Marina passou dos 16% do levantamento anterior, de 21 de agosto, para 11%


postado em 11/09/2018 10:42 / atualizado em 11/09/2018 11:36

Ao falar da dificuldade de conquistar o eleitorado feminino, afirmou que seu discurso ainda não chegou a todas as mulheres(foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press )
Ao falar da dificuldade de conquistar o eleitorado feminino, afirmou que seu discurso ainda não chegou a todas as mulheres (foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press )
 

 

A candidata da Rede à Presidência da República, Marina Silva, disse nesta terça-feira (11/9) que não considera a queda de cinco pontos na pesquisa do Datafolha de intenção de voto um "balde de água fria" em sua campanha. "Pesquisa é o retrato de um momento. As candidaturas têm que fazer o debate, apresentar suas propostas, e continuo fazendo meu trabalho. Ontem (segunda-feira) estive na Bahia, e fui muito bem recebida. Na Bahia estou em primeiro lugar. Quando as pesquisas se colocavam favoráveis, eu dizia a mesma coisa. Não dá para saber se é (balde de água) fria ou quente", afirmou Marina, ao participar de uma sabatina no jornal "O Globo", no Rio.

A pesquisa do Datafolha divulgada, nessa segunda-feira (10/9), mostrou que Marina passou dos 16% do levantamento anterior, de 21 de agosto, para 11%. Foi o primeiro levantamento do instituto desde que a candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), preso pela Lava-Jato, foi rejeitada pela Justiça Eleitoral, e também desde que o candidato do PSL, Jair Bolsonaro, foi esfaqueado. Na sondagem do Datafolha, Bolsonaro passou de 22% para 24%. Ciro Gomes (PDT) subiu de 10% para 13%. Geraldo Alckmin (PSDB) apareceu com 10%; Fernando Haddad (PT), com 9%.

A pesquisa Datafolha tem margem de erro de dois pontos porcentuais e nível de confiança de 95%. Foram ouvidos 2.804 eleitores nesta segunda-feira, 30, em 197 municípios de todas as regiões do País. A pesquisa foi registrada no TSE sob o protocolo BR-02376/2018. O levantamento foi encomendado pela TV Globo e pelo jornal "Folha de S.Paulo".

Ao responder a uma pergunta sobre a falta de alianças em torno de seu nome, e o prejuízo disso para a campanha, Marina disse: "A questão do tempo de TV tem um peso. Algumas candidaturas têm um tempo enorme. Agora, não fazer as alianças é uma escolha que tem a ver com a coerência. Quero ganhar ganhando, não perdendo. Não dá pra dizer 'vou ser intolerante com a corrupção' e ter 500 anos de Lava Jato no palanque. Os que criaram o problema não vão resolver o problema. Essa é minha jornada desde 2010. Precisamos quebrar a polarização. Vou continuar apostando na postura do brasileiro, que quer mudança. Não acho que não seja competitiva. É a única esperança de mudar o Brasil de fato."

Ao falar da dificuldade de conquistar o eleitorado feminino, afirmou que seu discurso ainda não chegou a todas as mulheres. "Quando eu dialogo com elas, sinto um acolhimento enorme. É importante que cada vez mais as mulheres saibam que estou comprometida com a educação de qualidade, que devemos ter educação de tempo integral, para a mãe trabalhar e estudar, que tenhamos cobertura de creche de zero a quatro anos, e que 50% das nossas crianças possam ser alcançadas", disse.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade