Publicidade

Correio Braziliense

Vídeo: Ciro se irrita e xinga interlocutor durante campanha em Roraima

Após ouvir pergunta sobre a crise dos imigrantes venezuelanos, Ciro chamou o homem de filho da puta e o acusou de agir sob orientação de Romero Jucá


postado em 16/09/2018 13:35 / atualizado em 16/09/2018 16:15

(foto: Facebook/Reprodução)
(foto: Facebook/Reprodução)
 
O candidato à Presidência da República pelo PDT, o ex-governador do Ceará Ciro Gomes, xingou um homem que o questionou sobre declarações anteriores a respeito da tensão entre brasileiros e venezuelanos em Roraima. Após ouvir a pergunta, Ciro, que cumpria agenda na capital Boa Vista, o chamou de filho da puta e depois ordenou a seus apoiadores que o retirassem e o detivessem.

O vídeo com o episódio passou a circular nas redes sociais na noite de sábado. Nele, Luiz Nicolas Maciel Petri, que nas redes sociais se apresenta como dono de uma agência de comunicação e marketing, faz a pergunta: "O senhor reafirma o que o senhor disse sobre os brasileiros de que tiveram aquela manifestação lá na fronteira, que chamou os brasileiros de canalhas, desumanos e grosseiros?" Ciro termina de ouvir Petri e responde: "Vá para a casa do Romero Jucá, seu filho da puta".

Depois que um apoiador diz para que Petri se retire, Ciro volta a falar, repetindo que ele atuava em favor do emedebista, que é senador por Roraima. "Pode tirar esse daqui. Esse daqui é do Romero Jucá. Romero Jucá, Romero Jucá. Tira ele, tira ele. Prende ele aí", diz Ciro. Assista:
 
 

 
Resposta em vídeo

Neste domingo, Luiz Nicolas Maciel Petri postou um vídeo no Facebook no qual critica Ciro e lamenta a postura do ex-governador. "Fui agredido porque fiz uma pergunta. Isso mostra o despreparo do candidato", afirma, antes de assegurar que não presta nenhum tipo de serviço a Romero Jucá. 

No vídeo, que mostra a cena por outro ângulo, Petri incluiu também a fala de Ciro que embasou sua pergunta. Na ocasião, após moradores de Pacaraima (RR) atacarem e queimarem pertences de refugiados venezuelanos, Ciro disse: "A Colômbia foi ocupada por mais de 500 mil venezuelanos e não há nenhuma notícia de desumanidade, de grosseria, de canalhice, que é o que aconteceu ontem no Brasil".

 


Agiu para provocar, diz campanha 

Questionada pelo Correio, a equipe que trabalha na campanha de Ciro ressaltou que Petri não é jornalista, se aproximou de Ciro com um microfone sem identificação de veículo de comunicação e agiu com o intuito de provocar o ex-governador.
 
Em entrevista publicada no site da Folha de Boa Vista, no sábado, Ciro voltou a falar da questão dos imigrantes venezuelanos. "Não é razoável que o povo de Roraima enfrente sozinho, pois isso é um problema nacional que o governo federal tem que se antecipar e dar guarida a esses irmãos que estão perdendo não só a casa, mas a sua própria pátria." 
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade