Publicidade

Correio Braziliense

Justiça autoriza realização de exame psiquiátrico em agressor de Bolsonaro

Decisão foi publicada nesta quarta-feira (19/9). Adélio esfaqueou Bolsonaro no dia 6 de setembro, em Juiz de Fora


postado em 19/09/2018 21:17 / atualizado em 19/09/2018 21:19

Depoimento de Adelio Bispo de Oliveira, autor do ataque a Jair Bolsonaro(foto: Reprodução/Justiça)
Depoimento de Adelio Bispo de Oliveira, autor do ataque a Jair Bolsonaro (foto: Reprodução/Justiça)
O juiz Bruno Savino, da 3ª Vara da Justiça Federal em Juiz de Fora, autorizou a realização de exame psiquiátrico no agressor do candidato à Presidência da República Jair Bolsonaro (PSL), Adélio Bispo de Oliveira, de 40 anos. A decisão foi publicada nesta quarta-feira. Adélio, que esfaqueou Bolsonaro no dia 6 de setembro, em Juiz de Fora, está preso preventivamente no Presídio Federal de Campo Grande (MS).

O pedido foi feito pela defesa do agressor. Após a realização do exame, que ainda não tem data marcada, os advogados deverão usar o laudo técnico para sustentar um segundo pedido de avaliação da insanidade mental de Adélio. O primeiro pedido nesse sentido foi negado pelo próprio juiz Bruno Salvino, no dia 12 de setembro passado, pela falta de indícios de insanidade mental do esfaqueador do candidato do PSL. 

O psiquiatra indicado pela defesa para fazer o exame é Hewdy Lobo Ribeiro, cujo consultório fica localizado em São Paulo. O Ministerio Publico Federal solicitou que o procedimento fosse acompanhado por um medico do presídio de Campo Grande. Já a defesa pediu que um advogado estivesse junto, o que foi negado. 

O juiz Bruno Savino entendeu que não há necessidade da presença de outras pessoas, pois não se trata de atendimento ambulatorial. 

“Assim para a realização daquele ato cuja finalidade é unicamente subsidiar o requerimento de instauração de incidente mental somente se faz necessário o contato entre o investigado e o médico psiquiatra sendo prescindível em vista da natureza do ato a presença de outro médico ou mesmo de representante da defesa técnica”, escreveu o magistrado. 

“Ressalto por oportuno trecho da decisão anterior deste juízo que assegurou à Defesa apenas o acesso de médico de sua confiança ao custodiado para que produza laudo técnico a fim de subsidiar eventual renovação do pedido de instauração de incidente de insanidade mental”, destacou o juiz. “Portanto, o exame requerido será realizado apenas com a presença do médico particular indicado pela Defesa e o investigado”, conclui Savino. 

Adélio Bispo de Oliveira esfaqueou Jair Bolsonaro durante um ato de campanha no Centro de Juiz de Fora, no dia 6 de setembro. Ele foi preso na mesma data e confessou o crime. Em depoimento, o agressor disse que agiu sozinho, “a mando de Deus”. 

Porém, a Polícia Federal deverá instaurar um inquérito para investigar se existe coautoria e se o agressor recebeu algum pagamento, com base na apreensão de um cartão de crédito internacional, dois cartões de débito e extratos bancários encontrados no quarto da pensão onde Adélio se hospedou em Juiz de Fora. 

O candidato do PSL segue em recuperação, internado no Hospital Alberto Einstein, em São Paulo. Ele já passou por duas cirurgias e lidera as pesquisas de opinião na corrida presidencial.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade