Publicidade

Correio Braziliense

Críticas da Economist a Bolsonaro viram guerra nas redes sociais

Enquanto apoiadores de Bolsonaro questionaram a credibilidade da revista inglesa, críticos ao candidato usaram a matéria como munição contra ele. E até jornalistas entraram na briga...


postado em 20/09/2018 15:36 / atualizado em 20/09/2018 16:51

A matéria de capa da mais recente edição da revista The Economistque descreve um possível governo de Jair Bolsonaro como "desastroso" e uma "ameaça" ao Brasil e à América Latina provocou uma verdadeira guerra nas redes sociais entre apoiadores e críticos ao presidenciável pelo PSL.

O texto da publicação inglesa aborda a necessidade de reformas no país e faz uma análise da ascensão de Bolsonaro como presidenciável. Para a Economist, o candidato se tornou opção em um cenário em que as finanças estão sob pressão e a política está "podre".
 
A publicação descreve Bolsonaro como um "populista de direita" que pode piorar ainda mais as coisas. "Promete a salvação. Na verdade, ele é uma ameaça para o Brasil e para a América Latina", afirma a reportagem.
 

Reação

Assim que o conteúdo chegou à internet, tanto apoiadores de Bolsonaro quanto críticos a ele passaram a repercutir a matéria. Ao longo do dia, o termo "The Economist" liderou a lista de assuntos mais comentados no Twitter. Para os opositores, a reportagem é uma prova de que Bolsonaro não está preparado para o cargo. "Será que o ódio cega as pessoas?", questionou um deles.
 
Já entre os eleitores do capitão reformado do Exército, sobram críticas à revista. "A vitória de Bolsonaro estraçalhará a esquerda no Brasil", reagiu um internauta, acrescentando que a revista inglesa representa "os  planos dos gobalistas por aqui". " Podem esperar porradas mais fortes", previu.

Outro internauta afirmou que a mesma revista "disse o mesmo de Trump", se referindo ao presidente norte-americano, para , em seguida, acrescentar: "Viram no que deu.. vitória e sucesso econômico". Outro chamou a Economist de The Comunist, sugerindo que a revista, de linha editorial liberal, teria, na verdade, posições de esquerda.
 
Análises como essas fizeram até jornalistas entrar na discussão. Após ser provocado por um internauta, porque havia compartilhado a matéria, o comentarista da GloboNews, Guga Chacra, afirmou: "Associar (a Economist) à esquerda demonstra ignorância. É tradicionalmente direita liberal".  

 
Veja a seguir algumas das postagens na internet 

 
 
 


 
 
 
 
 
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade