Publicidade

Correio Braziliense

Pessimismo e ataques darão o tom das duas últimas semanas de campanha

Mais da metade dos eleitores vê com pessimismo a eleição %u2014 e um quarto demonstra desinteresse no assunto. A partir de hoje até 7 de outubro, nenhum candidato pode ser preso, a não ser em flagrante delito


postado em 22/09/2018 07:00

A corrida até o Palácio do Planalto chega à reta final com negatividade por parte do eleitor e a campanha regada com discursos fortes entre os postulantes ao cargo(foto: Rodrigo Nunes/Esp. CB/D.A Press - 30/9/15 )
A corrida até o Palácio do Planalto chega à reta final com negatividade por parte do eleitor e a campanha regada com discursos fortes entre os postulantes ao cargo (foto: Rodrigo Nunes/Esp. CB/D.A Press - 30/9/15 )

O brasileiro vai às urnas em exatos 15 dias, porém, mais da metade dos eleitores está pessimista com as eleições. Segundo as últimas pesquisas, 53% dos cidadãos acreditam que faltam bons candidatos ou refutam a ideia de que as mudanças na economia serão positivas. Foi uma campanha diferente até aqui. Pela primeira vez, por exemplo, o financiamento privado não apareceu como componente na corrida. A população também enxergou a importância de um candidato a vice-presidente. Nas cinco primeiras semanas, os 13 postulantes viajaram 197 mil quilômetros por todo o Brasil. E se dedicarão mais ao corpo a corpo e, principalmente, aos ataques. Afinal, eles nem podem ser presos a partir de hoje, de acordo com a legislação, a não ser em flagrante delito (Leia quadro).

A polarização entre Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT), que podem disputar o segundo turno, aumentou os ataques no front. Mas também fez com que o segundo pelotão — composto por Ciro Gomes (PDT), Geraldo Alckmin (PSDB) e Marina Silva (Rede) — buscasse alternativas para a sobrevivência. O clima de desconstrução faz com que a campanha repita os contornos de 2014, quando petistas venceram tucanos.

Internado há duas semanas, Bolsonaro foi o primeiro a partir para o ataque nesta reta final. Gravou um vídeo no quarto do hospital Albert Einstein, em São Paulo, levantando a possibilidade de fraude nas urnas eletrônicas para beneficiar o PT. Embora a internet tenha se rendido aos ataques do capitão, Haddad ignorou as declarações do adversário e preferiu arregaçar as mangas para o PSDB. Tentou reduzir o fracasso do governo de Dilma Rousseff (PT), creditando as dificuldades ao impeachment, comandado pelo partido de Alckmin no Congresso Nacional.

Geraldo Alckmin tem respondido às investidas de Haddad e à histórica desavença com Bolsonaro. Diz que se um dos dois ganhar, o Brasil corre o risco de se transformar numa “nova Venezuela”. Ciro, que resiste em terceiro lugar, mantém o discurso crítico sobre a equipe de Jair Bolsonaro, direcionando-as especialmente ao general Hamilton Mourão (PSL), a quem chama de “jumento de carga”. Sem se distanciar dos ataques ao PT, diz ter recusado o papel de vice de Luiz Inácio Lula da Silva (PT), missão cumprida por Fernando Haddad.


Sem interesse

Marina tenta reverter a queda dizendo que o povo brasileiro “não merece a violência de Bolsonaro”, nem o “rouba, mas faz” dos petistas. A candidata da Rede, que chegou a ocupar o segundo lugar durante a pré-campanha, viu os números despencarem depois que a candidatura de Lula foi impugnada pela Justiça Eleitoral e parte dos votos dele acabaram transferidos para Haddad. As críticas colaboram para índices divulgados na última pesquisa Datafolha, que ouviu brasileiros acima de 18 anos nas 27 capitais do Brasil. O estudo aponta que 53% dos eleitores estão pessimistas sobre as eleições de 7 de outubro. Também revela que 25% dos votantes — que são 147 milhões no total, segundo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) — não têm o menor interesse no pleito.

“Estamos, basicamente, no meio de uma campanha curta. A grande questão, agora, é o segundo turno. Com Bolsonaro e Haddad despontando, petistas vão a campo em busca de força para o partido ao mesmo tempo em que os antipetistas tentam convencer a população a migrar para a direita. Declarações polêmicas, como a história da volta da CPMF e da tarifa única no Imposto de Renda, podem atrapalhar o militar. São coisas que afetam diretamente o dia a dia do cidadão”, detalha o cientista político Ivan Ervolino.


Pior cenário

O especialista garante que a polarização é o pior cenário. “Pensando na eleição como um todo, essa disputa ideológica não é um bom sinal para o país, já que o eleitor está desanimado e não tem informações suficientes sobre os candidatos. A gente já esperava essa história dos ataques, uma vez que a campanha é curta e sem muito dinheiro”, detalha Ervolino.

Para Bruno Reis, professor da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), a tática usada pelo PT e pelo PSDB em 2014 é exatamente a mesma que estamos vendo agora. “Agora, é tudo ou nada. Os caras partiram para a desconstrução dos adversários. Dilma (Rousseff) e Aécio (Neves) se implodiram em um toma lá, dá cá sobre programas sociais e estruturas de governo dividida entre ricos e pobres.”

O cientista político diz que, em um mundo ideal, os eleitores precisariam pesquisar melhor os candidatos e parar de pressionar artistas nas redes sociais. “É uma tática esquerdista essa coisa de vincular um político a uma celebridade. Os partidos com esse viés sempre tentaram se escorar em grandes nomes da música, da cultura, para ter maior penetração. O jeito certo para escolher o voto não é esse. O jeito certo é pesquisar. Ler planos de governo, ir atrás do passado desses caras. Existem vários aplicativos e sites gratuitos que fazem todo esse trabalho para nós. O que precisamos fazer é nos interessar por eles.”

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade