Publicidade

Correio Braziliense

Kátia Abreu critica PT e declara neutralidade em eventual segundo turno

'Eu não acredito em nenhum dos dois projetos, nem do Bolsonaro nem do Haddad', afirmou a candidata a vice de Ciro Gomes


postado em 27/09/2018 22:13 / atualizado em 27/09/2018 22:13

(foto: AFP / EVARISTO SA)
(foto: AFP / EVARISTO SA)

A senadora e ex-ministra da Agricultura Kátia Abreu (PDT-TO), candidata a vice na chapa do presidenciável Ciro Gomes nas eleições 2018, declarou nesta quinta-feira (27/9) em evento da Ação da Mulher Trabalhista, braço feminista do seu partido, em Salvador, que seguirá o caminho da neutralidade em um possível segundo turno entre os candidatos Jair Bolsonaro, do PSL, e Fernando Haddad, do PT, nas eleições presidenciais de 2018.

"Eu não voto em nenhum dos dois. Eu não acredito em nenhum dos dois projetos, nem do Bolsonaro nem do Haddad", afirmou Kátia ao jornal O Estado de S. Paulo, frisando que a decisão é pessoal.

A declaração foi dada após visita da senadora ao Mercado Modelo, um dos principais pontos turísticos de Salvador, e antes de atividade de campanha, na sede da legenda, no centro da capital baiana. Ela disse ainda, em tom crítico, que o perdão do PT aos partidos apoiadores do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, cassada em 2016, "foi rápido demais, em dois anos, ainda com as feridas abertas".

A senadora, que foi candidata a governadora do Tocantins em eleição suplementar realizada em junho deste ano, criticou os petistas também por terem apoiado seu adversário na disputa estadual, o candidato do PSB Carlos Amastha.

Na eleição tocantinense, o petista Célio Moura foi candidato a vice-governador na chapa encabeçada por Amastha, mas o presidente da Assembleia Legislativa e governador interino Mauro Carlesse (PHS) acabou eleito com 75,14% dos votos. Kátia ficou em quarto lugar, com 15,66%, e Amastha em terceiro, com 21,41%.

"O PT apoiou meu adversário, deu tempo de TV para o meu adversário, que nem petista era. Eles não tinham candidato próprio. Então custava me apoiar? Se eles quisessem ter me apoiado, eles não fariam mais do que a obrigação, depois de tudo que fiz", afirmou a pedetista, em referência à sua atuação aguerrida contra o impeachment.

"A situação demonstra que o PT é muito guloso, sempre quer apoio para si, mas nunca quer dar apoio a ninguém", afirmou nesta quinta-feira a candidata a vice-presidente do PDT.

"Eu sou exemplo disso, Ciro Gomes também, e o PDT, que foi leal quase 100% no impeachment", afirmou Kátia Abreu, citando o isolamento político do presidenciável pedetista, provocado graças a movimentações políticas lideradas pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva de dentro da carceragem da Polícia Federal, em Curitiba (PR), onde ele cumpre pena pela condenação no caso do triplex do Guarujá (SP), na Operação Lava Jato.

"Hoje o troco que o PT dá à nação é se alinhar a Ciro Nogueira, do PP, chefe do impeachment, Eunício Oliveira, que foi um dos que coordenou o impeachment, com Renan Calheiros, que até é meu amigo, mas foi a favor do impeachment. Então será que teve golpe mesmo? Agora eu tenho dúvida, porque o perdão foi bem rápido. Dois anos só, com as feridas abertas ainda. E eu perdi muito com tudo isso", afirmou a senadora do Tocantins.

Ela disse, contudo, que não tem rancor, "mas sentimentos, sim". E disse se sentir traída. "Só esquizofrênico, pessoa doente, que tem algum problema mental, sem as conexões afetivas adequadas, é que podem não sentir nada diante de uma traição", afirmou Kátia, frisando que continua amiga de Dilma Rousseff, que disputa uma vaga no Senado em Minas Gerais.

A candidata a vice de Ciro Gomes ainda saiu em defesa do aliado por declarações consideradas polêmicas, como ter chamado o candidato a vice de Jair Bolsonaro, general Hamilton Mourão (PRTB), de "jumento de carga". Segundo Kátia, a expressão usada por Ciro quis dizer que Mourão é "bruto, irracional e coiceiro".

"E é isso que ele tem dado à população: coice. Ele merece todos esses nomes mesmo", reforçou a pedetista, chamando o general da reserva de "verborrágico" e "truculento".

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade