Publicidade

Correio Braziliense

Empresa paga com verba de campanha de Bolsonaro só existe no papel, diz revista

O endereço produtora, de nome Mosqueteiros Filmes Ltda, recebeu visita da reportagem da revista, que encontrou apenas uma casa vazia com anúncio de venda


postado em 28/09/2018 12:11 / atualizado em 28/09/2018 12:29

Procurada, a advogada Karina Kufa, indicada pela equipe de Bolsonaro para esclarecer a questão, disse que não há irregularidades na contratação(foto: Nelson Almeida/AFP)
Procurada, a advogada Karina Kufa, indicada pela equipe de Bolsonaro para esclarecer a questão, disse que não há irregularidades na contratação (foto: Nelson Almeida/AFP)
 

 

Uma produtora de vídeo que existe apenas no papel, no centro de Petrolina (PE), recebeu R$ 240 mil para produzir vídeos para TV e redes sociais da campanha do candidato do PSL ao Planalto, Jair Bolsonaro. Conforme reportagem da revista "Época", o valor corresponde a cerca de 20% do total gasto na campanha pelo candidato até agora.

O endereço produtora, de nome Mosqueteiros Filmes Ltda, recebeu visita da reportagem da revista, que encontrou apenas uma casa vazia com anúncio de venda. Os donos do imóvel disseram que a produtora alugou um escritório lá há muito tempo, mas que saíram há anos - e que não sabiam nem se a produtora ainda existia.

O questionamento é o fato de outra agência estar, na verdade, respondendo pelas peças, a 9ideia, que tem sede em João Pessoa, na Paraíba - que é agência publicitária, não produtora de filmes, desta forma não poderia atuar na campanha com os vídeos.

Segundo os responsáveis pela 9ideia, eles não têm envolvimento algum com a campanha de Bolsonaro, mas funcionários da agência estariam trabalhando na elaboração das peças do candidato do PSL.

Procurada, a advogada Karina Kufa, indicada pela equipe de Bolsonaro para esclarecer a questão, disse que não há irregularidades na contratação. Questionada sobre o fato de funcionários da 9ideia prestarem serviço para a campanha, Karina disse que se trata de um problema trabalhista, o que seria problema da empresa e não da campanha.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade