Publicidade

Correio Braziliense

Sem Alckmin no segundo turno ao Planalto, alas do PSDB se dividem

Setores do partido já atuam para se aproximar de Jair Bolsonaro (PSL) e defendem o apoio do candidato do PSL. Outros quadros da legenda, porém, podem apoiar Fernando Haddad (PT).


postado em 29/09/2018 07:48 / atualizado em 29/09/2018 13:24

(foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
(foto: Ed Alves/CB/D.A Press)

 

Diante da dificuldade do ex-governador Geraldo Alckmin, presidenciável do PSDB, de avançar nas pesquisas de intenção de voto, setores do partido já atuam para se aproximar de Jair Bolsonaro e defendem o apoio ao candidato do PSL no segundo turno. Deputados e líderes do PSDB ouvidos pelo jornal O Estado de S. Paulo temem que o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e outros quadros da legenda atuem para apoiar Fernando Haddad (PT), caso Alckmin não chegue à próxima fase da disputa presidencial.

Reservadamente, tucanos dizem que o PSDB deve enfrentar o pior racha de sua história e pode "implodir" se houver uma guerra entre a ala mais conservadora e liberal e os fundadores do partido.

"Vou ser leal ao Geraldo até o último dia, mas, se ele não for para o segundo turno, sou anti-PT e vou encaminhar na bancada o apoio ao Bolsonaro", disse à reportagem o deputado Nilson Leitão (MT), líder do PSDB na Câmara. "O PT nós já conhecemos e não podemos experimentar de novo", concluiu o tucano.

Uma das possibilidades ventiladas pela cúpula do partido é liberar os filiados no segundo turno, se Alckmin não reagir nas pesquisas de intenção de voto.

Em um movimento que desafiou a direção do PSDB, um grupo de militantes do partido criou um grupo no Facebook chamado "Sou tucano e voto Bolsonaro", que já conta com 6.986 integrantes.

"O Geraldo fez gestos à esquerda e se aproximou do MST e do MTST. Ele não é um candidato viável. Nunca foi. Por isso, meu voto é para o Bolsonaro", disse Caíque Mafra, criador e administrador do grupo na rede social.

Filado ao PSDB, ele lidera uma corrente interna chamada "Liberdade Tucana", que se apresenta como liberal e de direita. Mafra chegou a disputar a direção da juventude do PSDB no ano passado por outro grupo interno, o Conexão 45.

O movimento pró-Bolsonaro no PSDB gerou reações. "O PSDB cometeu um erro lá atrás, que foi permitir a filiação pela internet e sem critérios mínimos. Entraram pessoas sem nenhum compromisso com a social-democracia e que se infiltraram no partido", afirmou o sociólogo Fernando Guimarães, que é integrante do diretório nacional do PSDB e coordenador da corrente tucana Esquerda Para Valer (EPV).

O grupo, que é ligado ao senador José Serra (SP) e ao ex-senador José Aníbal, vai pedir a expulsão de Mafra do partido. "Se algum tucano se posicionar pró-Bolsonaro, não tem outro caminho a não ser a expulsão", disse Guimarães.

Um dos fundadores do PSDB, o jurista José Gregori, ex -ministro da Justiça e titular da Secretaria Nacional de Direitos Humanos no governo Fernando Henrique Cardoso, disse considerar um "equívoco" a aproximação de setores do PSDB com o presidenciável do PSL e afirmou que seu posicionamento sobre o assunto é "diametralmente" oposto.


Estratégia


O PSDB se apega aos números laterais das mais recentes pesquisas de intenção de voto para pregar que ainda é possível ocorrer uma virada que favoreça Alckmin na disputa ao Palácio do Planalto.

"É preciso olhar os outros números da campanha. A alta rejeição do Bolsonaro, os 28% que podem mudar de voto e as mulheres. Esses são fatores que podem virar a eleição de cabeça para baixo", disse o deputado Silvio Torres (SP), tesoureiro do PSDB e um dos coordenadores da campanha tucana. A avaliação reservada da equipe do ex-governador é de que a estratégia mais agressiva contra Bolsonaro surtiu efeito.

As pesquisas internas mostram que o presidenciável do PSL parou de crescer nos levantamentos de intenção de voto, mas o eleitor não entendeu a mensagem dos comerciais tucanos segundo a qual votar em Bolsonaro significa eleger o PT no segundo turno.

Para os estrategistas do PSDB, Alckmin teria de atingir 12% no Datafolha (ficou com 10%) para dar a esperança de começar a semana que vem com 15% e criar alguma expectativa positiva. Nesse cenário, a busca é por uma "virada heroica", que atraia a candidata da Rede, Marina Silva, para a campanha.

"Se Alckmin crescer 3% ou 4% até segunda-feira, ele pega impulso e consegue chegar ao segundo turno. O final de semana é fundamental. É quando há troca de informação nos grupos sociais", afirmou o sociólogo Antonio Lavareda, presidente do Instituto de Pesquisas Sociais, Políticas e Econômicas (Ipespe), que presta serviços ao PSDB.

Segundo Lavareda, na reta final de outras eleições houve registro de movimentos importantes nesta etapa: Aécio Neves (PSDB) teve variação positiva de 10 pontos em 2014, Marina (então no PV) cresceu 6 pontos em 2010 e Alckmin, 8 em 2006.

Para o cientista político Cláudio Couto, coordenador do mestrado de política públicas da FGV, seria um "milagre" Alckmin ir para o segundo turno. "Ele perdeu o eleitor antipetista para Bolsonaro." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade