Publicidade

Correio Braziliense

Ato de Moro tenta causar efeitos políticos e eleitorais, diz defesa de Lula

Divulgação de material que não será juntado aos autos pelo juiz ocorre sete dias antes da eleição em primeiro turno


postado em 01/10/2018 17:10 / atualizado em 01/10/2018 17:24

(foto: Patricia de Melo Moreira/AFP)
(foto: Patricia de Melo Moreira/AFP)

A defesa do ex-presidente Lula classificou a atitude do juiz Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba (PR), de liberar parte da delação do ex-ministro Antônio Palocci envolvendo o petista, como “política” e com “nítido objetivo de tentar causar efeitos” eleitorais na campanha. A quebra do sigilo ocorre sete dias antes das eleições.

“Moro juntou ao processo, por iniciativa própria (“de ofício”), depoimento prestado pelo Sr. Antônio Palocci na condição de delator com o nítido objetivo de tentar causar efeitos políticos para Lula e seus aliados, até porque o próprio juiz reconhece que não poderá levar tal depoimento em consideração no julgamento da ação penal”, afirmou a defesa em nota assinada pelo advogado Cristiano Zanin Martins. 

Ainda segundo os advogados, a hipótese levantada pela acusação foi “destruída pelas provas cosntsituídas nos autos, inclusive por laudos periciais”. 

A quebra de sigilo ocorreu nesta segunda-feira (1/10). O acordo foi firmado com a Polícia Federal, no fim de abril. Anteriormente, Palocci tinha tentado fechar um acordo com o Ministério Público Federal (MPF), mas sem sucesso.

Os trechos apontam indicações para cargos na Petrobras no governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. No despacho, o juiz relata que não firma que não vê risco de dar publicidade ao conteúdo. 

Ainda segundo Zanin, Palocci “mentiu mais uma vez” com o objetivo de conseguir vantagens nas negociações com a Justiça. 

“Palocci, por seu turno, mentiu mais uma vez, sem apresentar nenhuma prova, sobre Lula para obter generosos benefícios que vão da redução substancial de sua pena - 2/3 com a possibilidade de “perdão judicial” - e da manutenção de parte substancial dos valores encontrados em suas contas bancárias.”, conclui a nota. 

Segundo Palocci, houve uma reunião no Palácio do Planalto com a presença de Lula em que teria sido combinado o pagamento de R$ 40 milhões em propina para a campanha de Dilma Rousseff em 2010.

Palocci afirma que o projeto de nacionalização do pré-sal também tinha relação com interesses de empreiteiras.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade