Publicidade

Correio Braziliense

'Parte da elite do País abandonou a social-democracia pelo fascismo', diz Haddad

Haddad ligou o aumento da rejeição a seu nome por parte do eleitorado, detectado na pesquisa Ibope divulgada na noite de segunda-feira, a ataques feitos pelo PSDB


postado em 02/10/2018 11:00 / atualizado em 02/10/2018 11:44

Haddad falou rapidamente à imprensa ao chegar à Fiocruz(foto: Douglas Magno/AFP)
Haddad falou rapidamente à imprensa ao chegar à Fiocruz (foto: Douglas Magno/AFP)

 

Em agenda no Rio, nesta terça-feira (2/10), o candidato do PT à Presidência da República, Fernando Haddad, ligou o aumento da rejeição a seu nome por parte do eleitorado, detectado na pesquisa Ibope divulgada na noite de segunda-feira, a ataques feitos pelo PSDB.

"Temos sofrido muitos ataques do PSDB, mas isso não está favorecendo o PSDB, e sim o fascismo. Quando você alimenta o ódio, alimenta o fascismo. Aconteceu na Alemanha, na Itália", afirmou o ex-prefeito em agenda da Fundação Instituto Oswaldo Cruz, sem citar explicitamente o oponente Jair Bolsonaro (PSL). "Parte expressiva da elite brasileira abandonou a social-democracia pelo fascismo".

Haddad falou rapidamente à imprensa ao chegar à Fiocruz. Não comentou outros dados do levantamento, como o crescimento do candidato do PSL. Nem o fato de suas intenções de voto não terem subido, como mostrava tendência anterior.

Bolsonaro passou de 27% para 31% da semana passada para esta, enquanto o petista ficou em 21% nas duas pesquisas. O Ibope ouviu 3.010 eleitores no sábado e Domingo (dias 29 e 30) e a margem de erro é de dois pontos percentuais. Bolsonaro ainda tem a maior taxa de rejeição: 44%. A de Haddad foi de 27% a 38%.

O candidato do PT defendeu em sua fala que os recursos para a saúde alcancem 6% do PIB, e disse que, se for eleito, a primeira emenda constitucional será a da reforma tributária e do cancelamento da PEC do teto de gastos, "num movimento só". "Não existe um senador ou deputado que não esteja arrependido de ter aprovado essa bobagem", afirmou.

A um repórter argentino, o petista declarou ser amigo do presidente Mauricio Macri e que, "independentemente de divergências ideológicas", os países devem se unir.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade